Auxílio emergencial pode VOLTAR! Metade dos inscritos devem receber, diz Guedes

O auxílio emergencial concedido pelo governo federal durante os primeiros meses de crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus teve início e fim em 2020. Com a chegada de um novo ano e sem o fim da pandemia, ficou a expectativa de uma possível prorrogação do benefício.

publicidade
Auxílio emergencial vai VOLTAR! Metade dos inscritos devem receber, diz Guedes
Auxílio emergencial pode VOLTAR! Metade dos inscritos devem receber, diz Guedes (Imagem: Montagem / FDR)

Depois de tantas discussões na equipe bolsonarista a respeito do assunto, o ministro da Economia, Paulo Guedes, foi a público, nesta quinta-feira (4), dizer que o auxílio emergencial pode sim ser prorrogado – desde que atenda apenas metade dos beneficiários contemplados em 2020.

A declaração foi dada ao lado do recém-eleito presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Na ocasião, Guedes frisou que a retomada do benefício depende também do acionamento de “cláusulas necessárias”.

publicidade

Rodrigo Pacheco, em seu posicionamento, trouxe a responsabilidade para o Congresso Nacional, e disse: “A pandemia continua e agora eu vim ao ministro da Economia, Paulo Guedes, externar o que é a preocupação do Congresso Nacional […], que é uma preocupação em relação à assistência social, a um socorro que seja urgente, emergencial, para poder ajudar a camada mais vulnerável.”

Na ocasião, Paulo Guedes complementou: “O auxílio emergencial, se nós dispararmos as cláusulas necessárias, dentro de um ambiente fiscal robusto, já mais focalizado – em vez de 64 milhões, pode ser a metade disso, porque a outra metade retorna para os programas sociais já existentes –, isso nós vamos nos entender rapidamente porque a situação do Brasil exige essa rapidez.”

“Fazer isso com cautela, com prudência, com observância de critérios para evitar que as coisas piorem. Mas, obviamente, nós temos que ter a sensibilidade humana e eu vim como senador e presidente do Congresso Nacional externar essa sensibilidade política de que nós temos que socorrer essas pessoas”, frisou Pacheco.

Vale destacar que o posicionamento de ambos vai em divergência ao que já definiu o presidente da República Jair Bolsonaro. Mais de uma vez, o mesmo falou publicamente que não há possibilidade uma possível prorrogação.

Em frente ao Palácio do Planalto, em Brasília, Bolsonaro chegou a declarar que reconhece que o valor do auxílio é “pouco para as famílias, mas é muito para o Brasil”.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Isabela Veríssimo
Isabela Veríssimo é jornalista formada pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) com passagens por redações, desde 2016, como o Diario de Pernambuco, Jornal do Commercio e Rede Globo. Atualmente dedica-se à redação de economia do portal FDR.