Casa Verde e Amarela cobrará MAIS impostos do que Minha Casa Minha Vida

O Casa Verde e Amarela, novo programa habitacional criado pelo governo Bolsonaro para substituir o Minha Casa Minha Vida, deve causar um aumento na carga tributária em comparação com o programa anterior. O reajuste pode levar a um encarecimento nos financiamentos habitacionais.

Casa Verde e Amarela cobrará MAIS impostos do que Minha Casa Minha Vida
Casa Verde e Amarela cobrará MAIS impostos do que Minha Casa Minha Vida (Imagem FDR)

O aumento da incidência de impostos reflete dois fatores ao mesmo tempo:

  • Na esfera federal, um veto do presidente Jair Bolsonaro extinguiu o regime simplificado de cobrança de impostos que era aplicado para o Minha Casa Minha Vida
  • Nos estados e municípios, será necessário revalidar as regras que diminuam a incidência de impostos como ICMS e ITBI para o programa anterior e que não podem ser apenas “jogadas” para o Casa Verde e Amarela.

O Casa Verde e Amarela foi criado através de medida provisória, porém passou por alterações no Congresso. Bolsonaro no momento da sanção da versão final do programa, vetou um trecho que determinava o Casa Verde e Amarela como “sucessor” do programa das gestões do PT, o que simplificaria o recolhimento dos tributos federais.

O Ministério da Economia justificou o veto alegando que o Congresso não estimou o impacto fiscal da medida nem definiu a fonte de receita como compensação, o que fere a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Este veto ainda pode ser derrubado pelo Congresso e retomar o regime favorecido de tributação para o Casa Verde e Amarela. Porém, ainda não existe uma data marcada para esta análise.

A extinção do regime favorecido impacta os financiamentos de casas individuais, que é quando o lote é financiado para uma única família e com a casa já construída.

Dos R$ 56,5 bilhões concedidos pelo Conselho Curador do FGTS (Fundo de Garantia de Tempo de Serviço) para financiamentos do setor habitacional neste ano, cerca de 38% entram na modalidade que será impactada pelo aumento da carga tributária.

O Ministério do Desenvolvimento Regional, disse em nota que não é possível indicar o percentual de contratos inseridos na modalidade de casas individuais. Disse também que além dos R$ 56,5 bilhões, existem R$ 8,5 bilhões aprovados para conceder descontos nos financiamentos a pessoas físicas.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.