Câmara aprova internet GRATUITA para estudantes inscritos no CadÚnico; veja as regras

Estudantes considerados de baixa renda terão direito a acesso à internet gratuita para estudantes e tabletes, segundo o texto a Câmara. A proposta segue para votação no Senado Federal. Entenda agora.

Câmara aprova internet GRATUITA para estudantes inscritos no CadÚnico; veja as regras (Imagem/Reprodução: Google)
Câmara aprova internet GRATUITA para estudantes inscritos no CadÚnico; veja as regras (Imagem/Reprodução: Google)
publicidade

Na semana passada, o texto, de autoria da deputada Tabata Amaral, que destina R$ 3,5 bilhões para serem investidos pelos estados e municípios com educação foi aprovado na Câmara Federal.

A ideia é ofertas acesso à internet e tabletes àqueles estudantes que não possuem esses recursos para acompanhar o ensino remoto, que está sendo usado em todo o país.

“Passados mais de oito meses desde o fechamento das escolas, parte dos estudantes continua sem ter acesso às atividades escolares oferecidas de modo remoto pelos sistemas de ensino, ou não consegue desenvolvê-las a contento, em razão de não disporem, em seus domicílios, de internet de banda larga, requisito mínimo do acesso com qualidade para fins educacionais, ou de equipamentos para se conectarem à rede”, pontuou a deputada.

O projeto

Segundo o texto, os estudantes e professores da rede pública de ensino terão acesso a 20 gigabytes de internet.

Além disso, cada professor terá um tablete, mas para isso ele precisará estar inscrito no CadÚnico também.

Essas medidas devem atender a todos os estudantes e professores, que se enquadrarem nos termos, da rede pública, até mesmo os indígenas e quilombolas.

Estudantes sem acesso à internet

A pandemia trouxe uma realidade no Brasil, muitos brasileiros não possuem acesso à internet.

Isso não seria algo preocupante se a conexão não fosse algo tão importante, principalmente em tempos onde o ensino remoto foi amplamente adotado no país.

De acordo com dados da pesquisa TIC Educação de 2019, divulgado no meio de 2020. Dos estudantes da rede pública de ensino 40% não possuem tabletes ou computadores em casa; na rede particular, esse número é de apenas 9%.

Já em 2020, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Covid19), apontou para outro dado muito importante:

29,3% dos estudantes do norte não conseguiam acessar as atividades remotas até outubro, no Sul esse percentual era de 5,1%, no Centro-Oeste 7,4% e Sudeste 9,2%. Ou seja, a desigualdade entre as regiões brasileiras tem afetado até o ensino remoto.

Esses dados apontam para a necessidade de medidas como essa proposta agora pela deputada Tabata Amaral.

Se aprovada na Câmara dos Deputados, o pagamento deve ser feito em parcela única até 8 de fevereiro de 2021.

Respeitando o número de professores e estudantes contemplados em cada local.

Acompanhe a editoria de Carreiras do FDR.

Jamille NovaesJamille Novaes
Jamille Pereira Novaes é graduada em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), pós-graduada em Gestão da Educação pelo Centro Universitário Maurício de Nassau (UNINASSAU). Como professora de Língua Portuguesa, já atuou no ensino fundamental I e II. Atualmente, trabalha com professora de Língua Portuguesa no ensino técnico e redatora da editoria de carreiras do portal FDR.