2ª onda da COVID-19 traz parcelamento de impostos e PRORROGAÇÃO de renda emergencial

Possibilidade de uma segunda onda do covid-19 faz com que prefeituras criem plano para contenção econômica. Diante dos índices de aumento da pandemia, os atuais e novos gestores que vierem a assumir em 2021 já estão debatendo os projetos para lidar com o cenário de crise. Entre as ações já anunciadas, está a prorrogação de impostos e extensão das rendas emergenciais.

2ª onda da COVID-19 traz parcelamento de impostos e PRORROGAÇÃO de renda emergencial (Imagem: Rovena Rosa/Agência Brasil)
2ª onda da COVID-19 traz parcelamento de impostos e PRORROGAÇÃO de renda emergencial (Imagem: Rovena Rosa/Agência Brasil)

Assumir uma prefeitura em 2021 será um grande desafio para os candidatos aprovados nessas eleições. Com os debates sobre uma possível segunda onda do covid-19, os gestores deram início ao planejamento para a contenção de uma crise econômica.

Em reunião da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), com 82 gestores eleitos e reeleitos, as possibilidades foram debatidas.

– Todas as prefeituras estão tentando trabalhar algum programa de incentivo, de alongamento de pagamento de tributos. A gente percebe que é necessário neste momento um apoio para o setor produtivo, principalmente o pequeno comércio, que foi mais castigado — afirma Jonas Donizette, prefeito de Campinas e presidente da FNP.

Sugestões em São Paulo

Para a principal cidade do país, espera-se que os prazos de pagamento de IPTU sejam postergados. Além disso, demais tributos como o ISS serão negociados com a finalidade de permitir que a população ganhe mais tempo para levantar recursos.

— Provavelmente, 2021 vai exigir algum Refis específico, para dar oportunidade a quem, por alguma dificuldade, não pôde pagar impostos.

Outra sugestão também adotada é a extensão da renda emergencial. Cerca de 480.146 famílias deverão receber quantias extras entre os meses de outubro, novembro e dezembro, sendo cada uma delas no valor de R$ 100.

Curitiba elabora planejamento

O prefeito reeleito Rafael Greca (DEM), em Curitiba, também já informou que irá criar o programa de Recuperação Fiscal de Curitiba (Refic-Covid-19) para refinanciamento de dívidas. Impostos como o IPTU, ISS, taxa de coleta e mais poderão ser divididos em até 36 meses.

Belo Horizonte

Em BH, o reeleito prefeito Alexandre Kalil (PSD), também informou que irá postergar o prazo de quitação do IPTU e das taxas imobiliárias. Para essa região, os impostos poderão ser pagos em até seis vezes, sendo a primeira parcela cobrada apenas no dia 30 de julho.

Você gostou deste conteúdo? AVALIE:

Avaliação média: 0
Total de Votos: 0

2ª onda da COVID-19 traz parcelamento de impostos e PRORROGAÇÃO de renda emergencial

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA