Cesta básica pode adicionar álcool em gel como item isento de imposto

Um projeto de Lei que está tramitando na Câmara sugere ofertar o álcool de uso pessoal, líquido ou em gel, dentre os itens da cesta básica que ficaram isentos da contribuição para o PIS/Pasep e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

Cesta básica pode adicionar álcool em gel como item isento de imposto
Cesta básica pode adicionar álcool em gel como item isento de imposto (Foto: Google)

Essa proposta é da deputada Rejane Dias (PT-PI), que deve alterar a Lei 10.925/10, na qual estabelece a isenção para os produtos da cesta básica. 

Alguns produtos que já contam com esse tipo de isenção são arroz, feijão, óleo e café. Além disso, serão alteradas as operações de importação ou venda no mercado interno.

“A inclusão do álcool entre os itens que compõem a cesta básica pode contribuir favoravelmente para facilitar o acesso da população de baixa renda a esse tipo de produto essencial, que se toma ainda mais importante diante da necessidade de combater a propagação do coronavírus”, disse Rejane.

Tramitação

Está tramitando em caráter conclusivo a proposta e deve ser analisada pelas comissões de Seguridade Social e Família; Finanças e Tributação; e Constituição e Justiça e de Cidadania.

Em seguida, votada pelo Congresso Nacional, com a presença de deputados e senadores, até que chegue ao presidente Jair Bolsonaro.

Cesta básica

A lei que estabeleceu uma lista de alimentos balanceados para garantir o bem estar de um trabalhador em idade adulta, foi criado em 1938 pelo governo do país.

Essa lista recebeu o nome de Cesta Básica Nacional, ela é composta pelos produtos: carne, leite, feijão, arroz, farinha, batata, legumes (tomate), pão francês, café em pó, frutas, açúcar, banha/óleo e manteiga.

Apesar disso, essa lista varia de acordo com cada região do país em que será comprada.

O valor da cesta é calculado por 3 institutos que realizam uma pesquisas nos supermercados, sobre os preços desses produtos e depois divulgam à população.

Uma das pesquisas é o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que faz uma análise mensal para acompanhar as variações dos preços de cada um dos produtos da cesta básica.

Após a coleta dos dados o cálculo é realizado, para que chegue ao preço mensal é necessário fazer o cálculo médio de todos os preços em cada um dos estados. 

Logo depois, é dividido o custo pelo valor do salário mínimo e multiplica-se pelo número de horas de um mês de jornada de trabalho, que é de 220 horas por lei.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Há dois anos é redatora do portal FDR, onde acumula bastante experiência em produção de notícias sobre economia popular e finanças.