Auxílio emergencial: TCU acredita que R$42 bilhões foram pagos indevidamente

De acordo com o Tribunal de Contas da União (TCU) foram pagos R$42 bilhões de forma indevida no auxílio emergencial. Essa informação foi divulgada pelo relatório de técnicos do Tribunal.

Auxílio emergencial: TCU acredita que R$42 bilhões foram pagos indevidamente
Auxílio emergencial: TCU acredita que R$42 bilhões foram pagos indevidamente (Imagem: Montagem/FDR)

O TCU divulgou que após relatório feito por técnicos há uma estimativa de que mais de 40 bilhões de reais foram pagos no auxílio emergencial de forma indevida. Os dados serão analisados pelos ministros na sessão de hoje, quarta-feira (26).

De acordo com o cadastro do Governo Federal há quase 67 milhões de pessoas recebendo o auxílio. Quem recebe de forma indevida está sujeito a penalidades e segundo dados do TCU há cerca de 6,4 milhões de pessoas a mais que beneficiários cadastrados pelo governo.

A auditoria conseguiu identificar quase 6 milhões de mães cadastradas como chefe de domicílio de forma indevida. Só isso, chega R$ 18,4 bilhões pagos sem necessidade. Somando com os R$ 23,7 bilhões pagos a quem não necessita chega a R$ 42,1 bilhões.

Auxílio emergencial

O auxílio emergencial foi criado devido à pandemia de Covid 19 com o intuito de proteger os brasileiros durante esse período de crise na saúde e na economia. Sendo voltado para os trabalhadores informais, desempregados, microempreendedores individuais (MEI) e autônomos o auxílio emergencial.

O valor de R$ 600,00 foi estimado, a princípio, para ser pago durante três meses, porém foi prorrogado por mais dois e agora o governo está analisando formas de garantir o pagamento até o fim do ano de 2020.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
OPORTUNIDADE
Novo Cartão de crédito queridinho do Brasil, sem anuidade e que você pode solicitar agora 34.787 pessoas já solicitaram

O auxílio emergencial pode ser pago para até duas pessoas da mesma família ou, no caso em que a mulher é a única responsável pelo sustento da casa, o valor mensal é de R$ 1.200,00.

Para receber o benefício é necessário ter mais de 18 anos ou ser mãe adolescente, não ter nenhum emprego formal, não ser beneficiário do INSS e ter uma renda familiar mensal de até três salários mínimos.

Até agosto, após cinco parcelas, já foram pagos R$ 173,4 bilhões para 66,7 milhões de brasileiros, segundo o Ministério da Cidadania. De acordo com o TCU o ministério deve revisar todos os meses os beneficiários para garantir o pagamento correto.

Glaúcia Alves
Gláucia Alves, formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Foi professora por 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, além de realizar consultoria de redação on-line.