Dólar volta a subir por influência estrangeira e da economia interna

Nesta quarta-feira (12), o dólar está operando em alta, depois de uma certa instabilidade na abertura, com os investidores divididos entre a fraqueza do Dólar no exterior e os abalos da “debandada” no Ministério da Economia do Brasil depois do desligamento de mais dois secretários da equipe econômica chefiada pelo ministro Paulo Guedes.

Dólar volta a subir por influência estrangeira e da economia interna
Dólar volta a subir por influência estrangeira e da economia interna (Imagem Google)

Ao 12h10, o dólar subia 1,23%, a R$ 5,4818. Na máxima até aquele momento, atingiu a R$ 5,4823; na mínima foi a R$ 5,4001.

Ontem (11), a moeda americana fechou o dia em baixa de 0,90% a R$ 5,4151. No acumulado do mês, a moeda teve alta de 3,80%, e no ano, de 35,05%.

Saídas na equipe econômica

Na noite de ontem, Paulo Guedes, o ministro da economia comunicou a saída dos secretários especiais de Desestatização e Privatização, Salim Mattar, e de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, e admitiu a “debandada” que está acontecendo em sua equipe.

O ministro afirmou também que os auxiliares que estão recomendando que Bolsonaro “fure” a regra do teto de gastos, estão deixando o presidente em risco de impeachment.

Estas saídas de secretários encarregados dos projetos de privatizações e de reforma administrativa estão gerando dúvidas a respeito do avanço da agenda liberal que é defendida por Paulo Guedes, e que foi prometida na campanha presidencial de 2018.

Esta incerteza política no Brasil, junto a um ambiente de juros muito baixos e a crise econômica causada pelo coronavírus, é considerada pelos analistas como um dos principais motivos que elevou o dólar a níveis recordes que ficaram próximos de R$6 neste ano.

Do outro lado, a fala do ministro foi encarada como um pedido de respaldo político do presidente Jair Bolsonaro a agenda liberal. A equipe econômica da XP Investimentos fez uma análise da fala de Guedes

“A fala se dá em momento difícil para a equipe econômica, quando se multiplicam as iniciativas insólitas no governo e no Congresso para expandir as despesas e em meio ao sinal negativo dado pela “debandada” no time, que deixou de ver suporte político para avanço das privatizações e da reforma administrativa”.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.