Quanto rende a poupança, CDB e renda fixa após corte na taxa Selic?

Nessa quarta-feira (05), o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copominformou uma nova redução na taxa básica de juros (Selic). Até o ano de 2021, sua tarifa será de 2%, sendo o menor patamar já aplicado em sua história. Mediante a decisão, o mercado financeiro começou a se questionar sobre a validade dos lucros obtidos por meio da caderneta de poupança, CDB’s e mais.  

Quanto rende a poupança, CDB e renda fixa após corte na taxa Selic?
Quanto rende a poupança, CDB e renda fixa após corte na taxa Selic? (Imagem: Reprodução – Google)

A decisão de aplicar um novo corte na Selic foi motivada mediante a situação econômica em que se encontra o Brasil. Com a crise do novo coronavírus, as solicitações de empréstimos e demais serviços de crédito foram amplificadas consideravelmente.

Para garantir a sustentabilidade e circulação financeira nacional, por parte de pequenas, médias e grandes empresas, o Copom reduziu as taxas de juros tornando os serviços mais baratos.  

Entretanto, o reajuste deverá impactar diretamente nos investimentos de renda fixa. A poupança, por exemplo, está com um caráter negativado. Isso significa que, mesmo que sejam notificados pequenos acréscimos no valor aplicado, a quantia será reduzida tendo em vista os índices da inflação.  

Já os investimentos em fundo DI simples (valido para toda a carteira no Tesouro Selic) está com uma taxa zero de administração. 

Fazendo com que a aplicação seja vista como uma boa oportunidade para quem deseja montar uma reserva de emergência. Nesse caso, a compra do título pode ser mantida a longo prazo, com cobranças cada vez mais reduzidas.  

É válido ressaltar que, com a Selic de 2% ao ano, os investimentos como a poupança, CDBs com taxas pós-fixadas, fundos DI e títulos do Tesouro Selic tornam-se mais baratos, uma vez que seus rendimentos são calculados com base na mesma ou pela DI.  

Veja quanto R$ 5 mil está rendendo em cada modalidade: 

Meses  Poupança*  CDB 90% do CDI (bancos grandes)  CDB 110% do CDI (bancos médios)  Fundo de DI com taxa de 1% ao ano **  Tesouro Selic *** 
6  R$5.034,80  R$5.032,85  R$5.040,12  R$5.017,21  R$5.027,05   
12  R$5.070,00  R$5.068.04  R$5.083,16  R$5.035,60  R$5.056,00   
18  R$5.105,37  R$5.105,62  R$5.129,19  R$5.055,17  R$5.086,87   
24  R$5.140,98  R$5,145,63  R$5.178,28  R$5.075,94  R$5.119,71   
30  R$5.176,84  R$5.182.70  R$5.223,83  R$5.095,10  R$5.150,08   

 

* A TR considerada foi zero. Não há desconto de imposto de renda nesta aplicação.
** Taxa DI considerada foi de 1,89% ao ano. 
*** Houve desconto de uma taxa de 0,5% (CBLC + corretagem) 

Fonte: Portal Exame 

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.