Nessa quarta-feira (05), o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copominformou uma nova redução na taxa básica de juros (Selic). Até o ano de 2021, sua tarifa será de 2%, sendo o menor patamar já aplicado em sua história. Mediante a decisão, o mercado financeiro começou a se questionar sobre a validade dos lucros obtidos por meio da caderneta de poupança, CDB’s e mais.  

publicidade
Quanto rende a poupança, CDB e renda fixa após corte na taxa Selic?
Quanto rende a poupança, CDB e renda fixa após corte na taxa Selic? (Imagem: Reprodução – Google)
publicidade

A decisão de aplicar um novo corte na Selic foi motivada mediante a situação econômica em que se encontra o Brasil. Com a crise do novo coronavírus, as solicitações de empréstimos e demais serviços de crédito foram amplificadas consideravelmente.

Para garantir a sustentabilidade e circulação financeira nacional, por parte de pequenas, médias e grandes empresas, o Copom reduziu as taxas de juros tornando os serviços mais baratos.  

Entretanto, o reajuste deverá impactar diretamente nos investimentos de renda fixa. A poupança, por exemplo, está com um caráter negativado. Isso significa que, mesmo que sejam notificados pequenos acréscimos no valor aplicado, a quantia será reduzida tendo em vista os índices da inflação.  

Já os investimentos em fundo DI simples (valido para toda a carteira no Tesouro Selic) está com uma taxa zero de administração. 

Fazendo com que a aplicação seja vista como uma boa oportunidade para quem deseja montar uma reserva de emergência. Nesse caso, a compra do título pode ser mantida a longo prazo, com cobranças cada vez mais reduzidas.  

É válido ressaltar que, com a Selic de 2% ao ano, os investimentos como a poupança, CDBs com taxas pós-fixadas, fundos DI e títulos do Tesouro Selic tornam-se mais baratos, uma vez que seus rendimentos são calculados com base na mesma ou pela DI.  

Veja quanto R$ 5 mil está rendendo em cada modalidade: 

Meses  Poupança*  CDB 90% do CDI (bancos grandes)  CDB 110% do CDI (bancos médios)  Fundo de DI com taxa de 1% ao ano **  Tesouro Selic *** 
6  R$5.034,80  R$5.032,85  R$5.040,12  R$5.017,21  R$5.027,05   
12  R$5.070,00  R$5.068.04  R$5.083,16  R$5.035,60  R$5.056,00   
18  R$5.105,37  R$5.105,62  R$5.129,19  R$5.055,17  R$5.086,87   
24  R$5.140,98  R$5,145,63  R$5.178,28  R$5.075,94  R$5.119,71   
30  R$5.176,84  R$5.182.70  R$5.223,83  R$5.095,10  R$5.150,08   

 

* A TR considerada foi zero. Não há desconto de imposto de renda nesta aplicação.
** Taxa DI considerada foi de 1,89% ao ano. 
*** Houve desconto de uma taxa de 0,5% (CBLC + corretagem) 

Fonte: Portal Exame 

Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco e formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.