publicidade

PONTOS CHAVES

  • O governo de Jair Bolsonaro quer trocar o Bolsa Família pelo programa Renda Brasil
  • O PT, partido que criou o Bolsa Família, turbinou a proposta do programa para que ele não seja extinto
  • A ideia é pagar mais para os beneficiários e incluir novas pessoas

Na sexta-feira (24), o Partido dos Trabalhadores (PT) apresentou uma nova proposta de Bolsa Família turbinado. A ideia bate de frente com à iniciativa tomada pelo governo de Jair Bolsonaro de acabar com o programa criado durante o período da gestão Petista.

"Mais Bolsa Família": Conheça o projeto do PT que vai contra o Renda Brasil
“Mais Bolsa Família”: Conheça o projeto do PT que vai contra o Renda Brasil (Foto:Google)
publicidade

O Bolsa Família é um benefício que foi criado no ano de 2003, pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com a junção de outros benefícios assistenciais. 

O programa faz a transferência direta de renda que beneficia famílias em situação de pobreza e extrema pobreza no país. 

Foi realizada uma reunião do diretório nacional do PT, que foi produzida e transmitida por meio do Youtube. 

Nela, a economista Tereza Campello, que é ex-ministra do Desenvolvimento Social e do Combate à Fome, comentou sobre as diretrizes do programa que foi denominado de Mais Bolsa Família.

“A ideia é que a proposta petista seja levada ao Senado e à Câmara pelos parlamentares do partido e que, uma vez em discussão, sirva como base para que o PT não perca a marca do partido que criou e implantou no Brasil programas de transferência de renda.”, disse.

A ex-ministra explicou que o programa quer aumentar o valor pago para as famílias e ampliar o número de beneficiários, para incluir também as pessoas que são consideradas vulneráveis.

“Todas as famílias brasileiras com renda por pessoa de até R$ 600 passam a ser atendidas pelo Mais Bolsa Família. O benefício médio por família no Brasil passaria a ser de R$ 640″, explicou Tereza.

Se entrasse no atual cenário do país, o partido calcula que o Mais Bolsa Família atenderia 30 milhões de famílias ao custo mensal de R$ 19 bilhões. 

Atualmente, o Bolsa Família ainda é pago, mas está para terminar o pagamento temporário de auxílio emergencial mensal de R$ 600 concedido pelo governo Bolsonaro a informais e pessoas de baixa renda durante a pandemia.

“O Bolsa Família pode, melhor do que qualquer outra mágica, ser o programa para alcançar a população pobre”, disse a ex-ministra.

Segundo Tereza, uma família com quatro pessoas e renda total de R$ 2.400 teria direito a ser incluída no Bolsa Família turbinado. 

Tereza ainda avaliou o novo programa que substituirá o Bolsa família, o Renda Brasil. De acordo com ela, o programa é um “combo de maldades”, tira direitos dos trabalhadores e desorganiza o sistema único de assistência social brasileiro. 

Tereza ainda finalizou dizendo que o presidente Jair Bolsonaro quer acabar com o Bolsa Família por razões políticas. “Querem apagar as digitais do governo Lula e Dilma da assistência à população mais pobre”, exclamou. 

Renda Brasil

"Mais Bolsa Família": Conheça o projeto do PT que vai contra o Renda Brasil
“Mais Bolsa Família”: Conheça o projeto do PT que vai contra o Renda Brasil (Foto:Google)

Após a pandemia, o programa do Bolsa Família será substituído pelo programa Renda Brasil, criado pelo governo de Jair Bolsonaro.

O Renda Brasil vai mudar o conceito do programa, pois para poder ter acesso ao Bolsa Família o beneficiário não poderia ter vínculo empregatício formal. 

O valor pago seria de cerca de R$ 300 e deve abranger 57,3 milhões de pessoas, que receberam, em média, no Bolsa Família R$ 190

Hoje, o Bolsa atende a 41 milhões de pessoas, a um custo de pouco mais de R$ 30 bilhões anuais aos cofres públicos.

O Renda Brasil terá o auxílio creche para as famílias, o valor pago seria composto por dois tipos de benefícios principais. O primeiro de R$ 100 de superação da pobreza e outro também de R$ 100, pago por criança de 0 a 15 anos.

Poderiam receber o valor completo do benefício as famílias com renda de até R$ 250 por pessoa. Essa faixa, seria flexível, para até famílias com renda de até R$ 450.

O Renda Brasil deverá custar ao menos R$20 bilhões a mais que o atual programa de assistência social do país.

Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.