publicidade

O governo federal estuda a criação de um novo programa de repasse social, o Renda Brasil. Com ele, a expectativa é concentrar os benefícios que já são destinados ao brasileiros de forma individual, juntando-os com outros programas a fim de melhorar as entregas.

Governo projeta investir R$51,7 bilhões no Renda Brasil (Reprodução/Internet)
Governo projeta investir R$51,7 bilhões no Renda Brasil (Reprodução/Internet)
publicidade

Segundo previsões, há a possibilidade de que o orçamento seja destacado em R$ 51,7 bilhões e 57,3 milhões de pessoas beneficiadas. Sendo estas últimas, as de 18,6 milhões de famílias. Previsão é de que haja também um maior repasse do valor médio do benefício, que é médio de hoje para R$ 190,16 para R$ 232,31.

Este programa é um dos pleitos mais fortes do governo atual, encabeçado pelo ministro da economia Paulo Guedes nos últimos meses. Com a sua implementação, governo espera também unir o Bolsa Família a este novo projeto.

Atualmente o Bolsa Família inclui 13,2 milhões de família, nos quais alcançam 41 milhões de pessoas a um custo de R$ 32 bilhões ao ano. Este limite atual para concessão do benefício é de R$ 178.

Segundo governo, os brasileiros que estão recebendo o auxílio emergencial também devem ser inclusos. Em análise pelo governo, a ideia é de que haja um redesenho do Fundo de Combate de Erradicação da Pobreza e Fundo Social, no qual há uma transferência de patrimônio para atender o financiamento do Renda Brasil.

O valor a ser repassado deve ter uma média de pagamento neste sentido: com R$ 100 per capita para crianças e adolescentes de até 15 anos. Atualmente é R$ 41 no Bolsa Família. Já para adolescentes passará de R$ 48 para R$ 100.

Seguindo o que os interlocutores do governo falam, a ideia do Renda Brasil é fazer um uso melhor dos recursos que são usados nos programas de transferência de renda no país. Com isto, há a possibilidade de também rever os benefício atuais para abrir espaço para outros.

Um dos exemplos levantados é da revisão do repasse do abono salarial, no qual é pago a quem ganha até dois salários mínimos. Os detalhes ainda estão sendo formulados porém há expectativa de rever, além desse, outros dois: a farmácia popular e Seguro-defeso.

Juan Gouveia é formado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). É redator do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular, direitos trabalhistas e finanças diariamente.