Agências do Correios serão usadas para inscrição do auxílio emergencial

Como forma de ajudar as pessoas que por algum motivo não estão conseguindo se cadastrar para receber o auxílio emergencial, o governo quer fechar uma parceria com os Correios para que este público possa receber ajuda em suas agências durante a pandemia do coronavírus.

Agências do Correios serão usadas para inscrição do auxílio emergencial
Agências do Correios serão usadas para inscrição do auxílio emergencial (Imagem FDR)

Novamente o ministro Onyx Lorenzoni foi questionado a respeito das enormes filas que tem se formado nas agências da Caixa, responsável pelo pagamento do auxílio para os desempregados e trabalhadores informais.

Ele alegou que a demora no atendimento já está sendo resolvido e que as filas estão diminuindo. E afirmou que somente em locais pontuais elas ainda acontecem.

Nesse sentido é que deve entrar a parceria com os Correios, para fornecer ajuda no processo de registro das pessoas que não conseguiram se cadastrar, e na verificação de dados. Isto acabaria acelerando o atendimento e a liberação do dinheiro do auxílio.

Como esta proposta precisa e uma decisão colegiada, uma reunião será realizada hoje (8) para definir todos os últimos detalhes. Segundo o que o ministro, semana que vem já será possível a ida das pessoas ao Correios.

“O que vai acontecer na próxima semana é que as pessoas que precisam de auxílio para fazer ou refazer seu cadastramento e tiverem alguma dificuldade vão ter um novo canal. Lá não é o lugar para receber o dinheiro”, disse Lorenzoni.

No balanço apresentado pelo governo na última semana, consta que foram 97 milhões de cadastros para o auxílio. Deste número, 50 milhões foram considerados aptos para receber o dinheiro.

33 milhões de pessoas foram descartadas por não se adequarem as regras. Por fim, são 13,7 milhões de cadastros que apresentaram dados inconclusivos e precisam ser corrigidos.

A Caixa também informou que o montante disponibilizado para o pagamento do auxílio foi de R$35 bilhões para estas 50 milhões de pessoas. Porém, devido a crise econômica causada justamente pela pandemia, nem todos receberam ainda.

Uma prorrogação do pagamento do auxílio por mais três meses ainda é avaliado pela equipe do presidente Jair Bolsonaro.

No fim do mês passado, Bolsonaro declarou que não pretende ampliar para outras categorias o auxílio emergencial de R$ 600 durante o estado de calamidade decretado pela pandemia.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.