Auxílio emergencial: MPF pressiona governo sobre dificuldade em repassar R$600

Governo Federal precisará prestar conta ao Ministério Público. Nessa segunda-feira (4), o MPF informou que o ministério da cidadania terá cinco dias para poder justificar os atrasos e entraves na liberação dos R$ 600 do auxílio emergencialDe acordo com o ofício, a secretaria terá que justificar os números de pedidos em análise e os processos de tramitação e validação dos mesmos. 

Auxílio emergencial: MPF pressiona governo sobre dificuldade em repassar R$600 (Imagem: Reprodução - Google)
Auxílio emergencial: MPF pressiona governo sobre dificuldade em repassar R$600 (Imagem: Reprodução – Google)

Com o pagamento da segunda parcela ainda sem data marcada, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão solicitou que o poder público justificasse as datas de referência utilizadas para poder validar os vínculos formais de emprego de quem recebeu o primeiro pagamento durante esse mês de abril.  

Além disso, os procuradores questionam também quais são os procedimentos e justificativas para aqueles que estão desempregados e não contemplam os valores do seguro desemprego. Outro motivo de dúvidas diz respeito as regras para a aceitação dos seguintes grupos:  

  • beneficiários do Bolsa Família; 
  • inscritos no Cadastro Único e não beneficiários do Bolsa Família, 
  • e não inscritos no Cadastro Único. 

No texto, a procuradoria determina que o ministério da cidadania envie o balanço total de pessoas que foram aceitas e também o quantitativo das que tiveram os pedidos negados. Para esse último grupo, o MPF deseja ter acesso aos dados cadastrais que motivaram a reprovação 

O comunicado solicita ainda as informações de suspensão para parentes de pessoas que estejam residindo em instituições, como presídios, abrigos, ou instituições de longa permanência. De acordo com os representantes, os processos de aprovação do auxílio emergencial estão apresentando inconstâncias e há uma desconfiança quanto a aplicação das regras por grupo.  

Entraves no cadastramento do auxílio emergencial

Segundo dados fornecidos pela Caixa Econômica, mais de 12,4 milhões de pessoas que já se inscreveram deverão refazer o registro. Isso acontece porque, inicialmente o aplicativo passou por um período de instabilidade e há também mudanças no que diz respeito a validação do CPF que passou por uma fase obrigatória e outra não obrigatória.  

Para esse grupo, a Caixa solicita que sejam refeitos os pedidos, por meio da ferramenta, e que os usuários confiram ponto a ponto os dados de endereço, dependentes e a numeração do CPF. Até o momento, a instituição afirma que mais de 50,2 milhões de pessoas já tiveram as solicitações aprovadas. 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA