Saque do FGTS: ainda não aderiu a modalidade aniversário? Veja se vale a pena

Alguns trabalhadores ainda podem aderir a modalidade de saque do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), isso se o trabalhador deseja ter acesso a parte do seu saldo na modalidade aniversário ainda este ano de 2020.

Saque do FGTS: ainda não aderiu a modalidade aniversário? Veja se vale a pena
Saque do FGTS: ainda não aderiu a modalidade aniversário? Veja se vale a pena (Imagem: FDR)

A modalidade permite que o trabalhador retire uma parte do dinheiro das suas contas do FGTS todo ano. Essa migração ao saque-aniversário é opcional e deve ser informada à Caixa Econômica Federal.

O trabalhador que nasceu em março e fizer a mudança para a modalidade só irá receber as parcelas anualmente, a partir do próximo ano, em 2021. A adesão vai até o último dia do mês de nascimento do trabalhador. 

O prazo para aderir esse saque e ter acesso ao dinheiro ainda neste ano, termina sempre no último dia útil do mês de nascimento do trabalhador. 

Caso o trabalhador não retire o dinheiro dentro do prazo, ele volta para o fundo. A partir do próximo ano o saque ficará disponível por três meses. 

É importante lembrar que, ao escolher o saque-aniversário, a pessoa perde a possibilidade de saque do valor integral dos depósitos se for demitido. 

O que permanece é a multa rescisória de 40% sobre todos os valores depositados pelo último empregador para casos de desligamento sem justa causa. Em qualquer uma das modalidades de saque, o trabalhador continua a receber a multa.

A mudança de modalidade de saque também não altera a possibilidade de acesso ao saldo que sobrou do FGTS para comprar a casa própria, em caso de aposentadoria ou doença grave.

Aquele que preferir o modelo tradicional de acesso ao saque do FGTS, chamado agora de saque-rescisão, e poder sacar o saldo integral em caso de demissão, não precisa fazer nada.

Se o trabalhador optar pelo saque-aniversário e depois quiser voltar para o antigo saque terá que esperar 24 meses para a mudança fazer efeito.

Vale a pena aderir ao saque do FGTS nessa modalidade?

Escolher entre as duas modalidades de saque não é fácil. Uma das principais desvantagem de deixar o dinheiro no FGTS é que o rendimento garantido é baixo, de 3% ao ano mais TR (Taxa Referencial), que hoje está zerada.

Porém, o trabalhador deve considerar outros aspectos antes de decidir. Isso envolve a situação financeira da pessoa, a importância que o saque integral do fundo pode ter em caso de desemprego.

Se o trabalhador não tiver uma reserva de dinheiro é uma boa opção colocar o saldo em uma conta para render.

Já aqueles que estão com dívidas, precisam analisar se o dinheiro do fundo irá quitar toda a dívida. Se for possível, o ideal é sacar e pagar a dívida por conta dos juros.

Caso o trabalhador queira investir em aposentadoria o ideal é sacar e realizar essa aplicação. 

Há alguns financiamentos de imóveis que estão possibilitando aos trabalhadores dar entrada em sua casa própria com o dinheiro do fundo, é recomendado que o trabalhador utilize, assim ele poderá diminuir as prestações de financiamento. Neste caso o dinheiro pode ser sacado para quitar as prestações também. 

Os trabalhadores que podem não estão seguros no emprego ou que ficaram desempregados, mas recebem o seguro desemprego é aconselhável deixar o dinheiro rendendo e sacar apenas quando necessário.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Há dois anos é redatora do portal FDR, onde acumula bastante experiência em produção de notícias sobre economia popular e finanças.