Dívidas com os bancos poderão ser renegociadas com prazo maior!

A pandemia do novo coronavírus faz com que diversos profissionais ficassem em casa, com comércios fechados e serviços em parte impactados. Um dos maiores problemas em toda essa situação é a crise econômica que o país passa. Por isso, o governo tem conversado com os bancos para oferecer um período maior na negociação de dívidas e no prazo para quita-las.

Dívidas com os bancos poderão ser renegociadas com prazo maior! (Reprodução/Internet)
Dívidas com os bancos poderão ser renegociadas com prazo maior! (Reprodução/Internet)

A recessão tem previsão de atingir índices altos. Os empresários, microempreendedores e brasileiros em geral estão preocupados em como irá se configurar o cenário.

Leia Também: Banco do Brasil cria regras especiais no oferecimento de empréstimo aos negativados

Com isso, bancos brasileiros estão estudando ampliação o prazo de carência, de 60 dias, concedido a diversas linhas de crédito voltadas a pessoas físicas e empresas. No Banco Central a pontuação é observada em diversos cenários.

Entre as situações pontuadas pelo banco estão a carência no qual pode ser por mais de 60 dias. Visualizando a seguinte informação, há a possibilidade de conceder três ou até quatro meses adicionais de fôlego para aqueles com dívidas contratadas, conforme apurou o Broadcast.

Banqueiros detalham que a situação na qual foi pontuada, no que se detalha a adoção de 60 dias, não será suficiente. Já que a crise do novo coronavírus ainda não tem data para terminar.

Observando o cenário de contaminação atual, a alternativa traçada atualmente é para ajudar empresas e pessoas físicas a conseguirem atravessar a turbulência que sacudiu as economias em todo o mundo é dar mais prazo para as dívidas contratadas.

Esta alteração vem sendo observada até mesmo pelos banqueiros que sugerem que a carência seja estendida de 60 dias. Nos últimos dias, Banco Central a proposta e medidas necessárias em termos de provisionamento e de capital para que pudessem renegociar as dívidas.

Leia Também: Quantidade de beneficiados com “coronavocher” é surpreendente; Caixa divulga número

As mudanças permitidas pelo BC possibilitaram que houvesse o mantimento da mesma nota de clientes a despeito da renegociação das dívidas. Em soma, os bancos receberam mais de dois milhões de pedidos que somam R$ 200 bilhões em dívidas.

Além deste ponto, também foi flexibilizada a forma temporária a regra que determina o tamanho do colchão que os bancos devem constituir para perdas em relação ao tempo de atraso de empréstimos, conforme antecipou o Broadcast na última segunda-feira, dia 06.

Números gerais apontam que já foram realizadas renegociações em cerca de R$ 130 bilhões, concedendo carências que vão de dois a três meses, dependendo do banco. Neste total, Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú Unibanco e Santander já somaram esses valores.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

REDAÇÃO
Cobertura e repercussão de assuntos que impactam o bolso de todos os brasileiros. A redação do FDR.com.br traz diariamente assuntos relevantes de uma forma descomplicada e confiável.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA