60% dos pedidos de empréstimo para pequenas empresas são negados, diz pesquisa

Apesar do pacote de contenção de crise já anunciado por bancos e instituições públicas, pesquisa revela que 60% dos microempresários tem solicitação de crédito negada. Na última semana, o Sebrae realizou um levantamento com 6.080 empreendedores, que afirmaram estar tendo dificuldade para fecharem contratos de empréstimo com as instituições financeiras.

60% dos pedidos de empréstimo para pequenas empresas são negados, diz pesquisa (Imagem: Reprodução - Google)
60% dos pedidos de empréstimo para pequenas empresas são negados, diz pesquisa (Imagem: Reprodução – Google)

De acordo com o estudo, realizado entre os dias 3 e 7 de abril, a classe vem recebendo “não” dos bancos sob a justificativa de recursos ineficientes.

No entanto, tais instituições ainda assim seguem anunciando campanhas de empréstimo e financiamento, desenvolvidos, segundo as mesmas, para minimizar os efeitos do Covid-19 na economia nacional.

Leia também: MEI: número incrível vai ser beneficiado com auxílio de R$600 na crise

Conforme os dados levantados, cerca de 88% dos entrevistados apresentaram uma queda de faturamento do mês de maio para cá. Segundo eles, os micro negócios só conseguirão se manter, com as portas fechadas, pelos próximos 23 dias.

A categoria afirma que há um custo para garantir a aplicação da marca. Além disso, relembrou despesas como o pagamento de funcionários, espaços físicos, fornecedores e demais demandas.

Medidas propostas pelo Governo Federal

Diante da situação, o Ministério da Economia vem anunciando um pacote de contenção que tem como principal alvo os microempreendedores individuais (MEI). No entanto, os entrevistados afirmam que, as propostas ainda não surtem efeitos no mercado que segue sobrevivendo por um curto espaço de tempo.

Até o momento, o governo federal já divulgou a criação de um programa de financiamento de salários, que custará cerca de R$ 40 bilhões para poder reduzir o número de empregos. A proposta, já validada, deverá funcionar por meio do BNDES que ainda não apresentou os prazos da liberação.

Leia também: Auxílio de R$600: número de cadastros finalizados impressiona governo

Visando lucro nesse cenário, algumas marcas de instituições financeiras foram notificadas por estarem aumentando suas taxas de juros. No fim de março, a associação de lojistas solicitou que o Banco Central se posicionasse contra o aumento das cobranças, alegando se tratar de uma medida de risco para o desenvolvimento do mercado nacional.

Questionado, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, que estava por fora da situação, mas que, em parceria com o governo, anunciará em breve um programa exclusivamente focado para a recuperação desse setor.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA