INSS: governo estuda conceder crédito para empresas devedoras

O Ministério da Economia está debatendo uma forma que permita que as empresas que devem para o INSS contraíam empréstimos com os recursos públicos. Essa medida seria necessária para ampliar o acesso ao programa que financia a folha de salários, mas ainda não reúne consenso.

INSS: governo estuda conceder crédito para empresas devedoras
INSS: governo estuda conceder crédito para empresas devedoras (Imagem:Montagem/FDR)

O empréstimo concedido para pequenas e médias empresas pagarem os salários de seus funcionários pelo período de dois meses, está previsto pela medida provisória 944 que foi publicada na semana passada.

Leia também: Banco Inter faz lançamento inédito com nova função no App

De acordo com as regras que foram anunciadas, o Tesouro Nacional deve destinar cerca de R$34 bilhões ao programa e os recursos serão repassados por intermédio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)

O texto ressalta um trecho da Constituição que impede as empresas em débito com o sistema da seguridade social de contratarem com o poder público ou receber dele benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios. 

Nesta terça-feira (7), o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse que uma nova medida provisória passou a ser estudada para liberar o acesso dos devedores ao crédito.

“A gente está tentando elaborar uma MP que isenta várias empresas que não estavam pagando impostos, inclusive a municípios e estados, para poderem renovar dívida e pegar crédito”, afirmou.

Almeida lembrou que há um entrave sendo considerado. As MPs não têm força para se sobrepor à Constituição.

“Em geral, a gente tem problemas de uma medida provisória mudar regra constitucional. Isso é um pouquinho mais complicado”, afirmou.

Uma outra possibilidade é aproveitar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), como a do orçamento de guerra, para mudar o impedimento previsto ao menos durante o período de calamidade pública que o país se encontra por causa da pandemia do coronavírus.

Porém, uma nova medida sobre o tema está longe de ter um consenso no Ministério da Economia. É válido dizer que a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), já elaborou medidas que avaliam a situação dos devedores.

Uma dessas medidas é o pagamento de 1% da dívida com o INSS em três parcelas, e o restante por 84 meses ou até 100 meses, dependendo do porte.

Leia também: Deputados adiam mais uma vez votação do programa de incentivo ao emprego

Além disso, as empresas que deixaram de pagar a contribuição previdenciária em meio à crise do coronavírus tiveram prorrogadas as validades das certidões negativas de crédito por 90 dias.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA