Financiamento de salários ajuda pequenas e médias empresas; veja como usar!

PONTOS CHAVES

  • Financiamento incluí folhas de pagamento de pequenas e médias empresas
  • As empresas devem ter receita anual de R$360 mil a R$10 milhões.
  • Os empréstimos podem ser solicitados em bancos privados

Nesta segunda-feira (6), o Conselho Monetário Nacional (CMN) regulamentou os financiamentos para a folha de pagamento de pequenas e médias empresas, que foi denominado pelo governo como Programa Emergencial de Suporte a Empregos (PESE). 

Financiamento de salários ajuda pequenas e médias empresas; veja como usar!
Financiamento de salários ajuda pequenas e médias empresas; veja como usar! (Imagem:Reprodução/Google)

O projeto deve bancar até R$ 40 bilhões em salários por dois meses, e entrou em operação nesta semana.

Leia Também: Em meio a crise, empresa inova e cria sistema para manter vendas

A expectativa é que o sistema vá beneficiar as empresas com receita bruta anual de R$360 mil a R$10 milhões. 

O governo estima que a linha de crédito beneficie de até 12,2 milhões de empregados em 1,4 milhão de firmas

Do dinheiro disponibilizado, R$34 bilhões, ou seja 85%, devem vir do Tesouro Nacional via BNDES e os R$6 bilhões restantes serão aportados pelos próprios bancos.

O Banco Central (BC) também autorizou que os bancos fizessem a dedução de R$6 bilhões do recolhimento compulsório, ou seja, dinheiro que as instituições financeiras têm de manter no banco, sobre recursos a partir do dia 20 deste mês.

Conforme a autoridade monetária, isso representa cerca de 5% do montante atual recolhido sobre recursos a prazo.

O programa pagará até dois salário mínimos, o que representa R$2.090 por funcionário, cabendo o restante do salário ser pago pelas empresas se o empregado ganhar remuneração superior.

O valor será depositado diretamente na conta do funcionário, sem passar pela empresa que contratou o empréstimo.

No pagamento, a contratante terá seis meses de carência e 36 meses, quer dizer, três anos para quitar a dívida. Os juros serão de 3,75% ao ano, que é o atual patamar da Selic. 

Porém, as empresas não poderão demitir sem justa causa empregados por até 60 dias depois do recebimento do crédito. Toda a ação deve custar aos cofres públicos cerca de R$40 bilhões de reais.

Regras para ter acesso ao crédito

Para poder receber o crédito as empresas precisam estar dentro de alguns pré-requisitos, incluindo:

  • O financiamento estará disponível para empresas com faturamento entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões por ano;
  • O dinheiro será exclusivo para folha de pagamento;
  • A empresa terá seis meses de carência (ou seja, o tempo dado depois que contratar o empréstimo para começar a pagar as parcelas) e 36 meses (3 anos) para quitar a dívida;
  • Os juros serão de 3,75% ao ano (patamar da taxa básica de juros).

Onde solicitar o financiamento

O empréstimo pode ser solicitado pelos beneficiários nos bancos privados. Os presidentes dos bancos Bradesco, Itaú Unibanco e Santander Brasil, afirmaram que vão ofertar a linha de crédito nova. 

No Itaú, a contratação poderá ser por meio digital, pelo Itaú Empresas na Internet, através do site. Poderão solicitar o crédito as empresas que possuem o serviço de folha de pagamento junto ao Itaú e não apresentem atrasos nos últimos seis meses.

No Bradesco, a linha terá capacidade de beneficiar até 1 milhão de trabalhadores. As pequenas e médias empresas clientes do Bradesco com crédito pré-aprovado poderão acessar o financiamento diretamente no Net Empresa ou no Net Empresa Celular. Demais clientes poderão solicitar o crédito na sua Agência, por telefone. Após aprovação, o recurso será liberado nos canais digitais.

O Santander vai disponibilizar a linha para custear a folha a partir de quinta-feira (9) no caso dos autônomos e microempreendedores individuais (MEI). 

O crédito pode ser usado para pagar outras despesas?

O crédito não pode ser utilizado para pagar outras despesas da empresa, apenas para o salário dos funcionários. 

Segundo o presidente do BC, o dinheiro vai cair na conta do empregado que foi indicado pela empresa que pegar o empréstimo.

Além disso, aqueles que solicitarem a linha de crédito não poderão demitir seus funcionários pelo período de dois anos. 

Mas, segundo o secretário de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Bianco, as contratantes podem fazer uso das medida em conjunto com a MP que autoriza o corte de salários.  

O crédito vai cobrir todos os salários dos funcionários?

Não. O dinheiro vai financiar, no máximo, dois salários mínimos, ou seja, R$2.090 por trabalhador.

Com isso, quem já possui o salário de até dois salários mínimos continuarão a ter o mesmo rendimento. 

Leia Também: Coronavoucher: App do auxílio emergencial é lançado pela Caixa (saiba como usar!)

Porém, para os funcionários que ganham acima disso, o financiamento ficará limitado a dois salários mínimos, a diferença deve ser quitada pelo empregador. 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA