Doria faz novo pronunciamento e comércios ficarão fechados por mais tempo

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), comunicou ontem (6) em uma coletiva de imprensa que vai estender o período de isolamento social por conta do avanço do coronavírus por mais 15 dias, indo até 22 de abril, sem flexibilização. Todo o estado de São Paulo está em isolamento desde o dia 24 de março.

Doria faz novo pronunciamento e comércios ficarão fechados por mais tempo
Doria faz novo pronunciamento e comércios ficarão fechados por mais tempo (Foto: Google)
publicidade

O anúncio do prolongamento da quarentena se deu em uma entrevista coletiva onde Dória levou médicos do Centro de Contingência contra o coronavírus para que eles pudesse falar com mais profundidade a importância de se continuar em quarentena.

Leia Mais: Bradesco anuncia crédito de R$10 milhões para médias empresas

“Não pauto minhas ações por populismo, pauto minhas ações pela ciência e pela opinião médica”, disse Doria, acrescentando que “nós vamos proteger vida, nós vamos tratar de salvar vidas. Depois de salvar vidas, vamos salvar a economia”.

Neste período de quarentena, permanecem abertos apenas serviços essenciais como farmácias e supermercados. O restante do comércio, como bares, restaurantes e espaços para atividades culturais, permanecem fechados.

Existe uma grande pressão dos lojistas para que o comércio seja retomado. Até mesmo o presidente Jair Bolsonaro defende a volta imediata dos trabalhadores a suas respectivas atividades.

Mesmo diante destas pressões, Doria mantém sua posição e não abre mão do isolamento social como uma das formas mais eficazes para impedir a proliferação do vírus.

Diante do posicionamento de Jair Bolsonaro, o governador de São Paulo o questionou de forma critica. “Estão todos errados? Será que um único presidente da república do mundo é o certo?”, afirmou.

José Henrique Germann, secretário da Saúde, afirmou que se as medidas de isolamento não tivessem sido tomadas, o número de pessoas infectadas e mortas seria dez vezes pior, segundo estimativas do governo.

Já o presidente do Instituto Butantã, Dimas Tadeu Covas, disse que estudos comandados por epidemiologistas, mostraram que aconteceu uma redução na mobilidade social de 56% em todo o Estado. Porém, ele afirmou que esta porcentagem precisava ser de 60% para se tornar ideal.

Para finalizar, Doria reforçou a obrigatoriedade da população de se manter em casa, em isolamento social e lembrou que a decisão é constitucional e deve ser obedecida.

Leia Mais: Vagas abertas: 102 oportunidades em Piracicaba com inscrição imediata!

“Não é uma deliberação que pode ou não ser seguida. Ela deve ser seguida por todos os 644 municípios, além da capital de São Paulo”, encerrou.

Paulo AmorimPaulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira, formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo, atua como do redator do portal FDR produzindo matérias sobre economia em geral e também como repórter do site Aparato do Entretenimento cobrindo o mundo da TV e das artes.