Trabalhador informal pode receber R$600 em novo aval de Maia

Parlamentares lançam uma contraproposta para o governo. Nessa quinta-feira (26), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, concedeu uma entrevista apresentando o projeto que tem como finalidade aumentar o voucher do coronavírus para R$ 600. O benefício deverá ser disponibilizado para o trabalhador informal, de modo que o ajude a lidar com a crise gerada pela pandemia.

Trabalhador informal pode receber R$500 em novo aval de Maia (Imagem: Reprodução - Google)
Trabalhador informal pode receber R$500 em novo aval de Maia (Imagem: Reprodução – Google)

Inicialmente, o valor informado pelo ministério da economia era de R$ 200. A medida foi anunciada no começo desta semana e desde então vem passando por modificações. Até a tarde de ontem, quinta (26), o novo reajuste determinaria uma quantia entre R$ 300 e R$ 350. Porém, há um grupo de deputados alegando que o pagamento ainda deve ser maior.

Leia também: Voucher para trabalhadores informais poderá saltar de R$200 para R$300

Em entrevista, Maia defendeu que trata-se de uma ação de proteção a categoria, que precisará de respaldo econômico para sobreviver nos próximos meses. Segundo ele, a decisão de aumentar o valor não leva em consideração os impactos fiscais, mas sim a segurança dos brasileiros que atuam de forma autônoma.

Crítica ao governo

Para ele, o momento não é de tomada de decisões prolongadas. O parlamentar alegou que todas as medidas validadas durante a crise devem ser vista de forma passageira, para que o país supere a pandemia.

Eu entendo a posição do governo, claro. O governo ainda trabalha, do meu ponto de vista, sem nenhuma crítica, apenas uma análise, na questão do impacto fiscal, que eu acho que nesse momento não é a questão mais importante. A questão mais importante é a gente conseguir segregar as nossas decisões para o ano de 2020, que elas não sejam permanentes“, afirmou.

Leia também: Servidores públicos sofrerão corte de 25% nos salários até 2024

Se mostrando contrariado com as atuais decisões do presidente, Jair Bolsonaro, Maia ressaltou que o valor ofertado é muito pequeno e não condiz com a quantia aplicada nos cofres públicos.

Para ele, aumentando o benefício para R$ 600, durante os próximos três meses, a união deverá ter uma despesa de aproximadamente R$ 10 a R$ 12 bilhões.

“O que a gente tem entendido é que a proposta do governo é muito pequena diante do que a população brasileira precisa. A nossa opinião é que esse valor vai gerar um impacto a mais de R$ 10 bilhões, R$ 12 bilhões. Mas em relação ao que o Brasil precisa investir, garantir à sociedade brasileira, é muito pouco”.

Ainda na noite desta quinta-feira a Câmara dos Deputados aprovou o texto que concede R$600 ao trabalhador informal. A quantia ainda pode chegar a R$1.200, desde que a família tenha como principal responsável financeiro uma mulher.

Entre outras, para receber o benefício será preciso ter ganho familiar de no máximo 3 salários mínimos e não receber nenhum benefício assistencial ou previdenciário. Os selecionados deverão estar inscritos no Cadastro Único.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA