ANÚNCIO

Alterações nas medidas provisórias poderão garantir o salário do trabalhador. Após assinar uma MP que determinava o corte de pagamentos dos funcionários por até quatro meses, o presidente Jair Bolsonaro voltou atrás e está editando um novo texto. Segundo informações do portal O Globo, há uma negociação para que os funcionários afastados permaneçam recebendo seus pagamentos por meio do seguro-desemprego.

Seguro desemprego vai completar salário dos funcionários em 2 situações! (Imagem: Reprodução - Google)
Seguro desemprego vai completar salário dos funcionários em 2 situações! (Imagem: Reprodução – Google)
ANÚNCIO

A medida ainda não foi divulgada e deverá ser finalizada ainda nessa terça-feira (25). Segundo a reportagem, os trabalhadores que tiverem seus recursos cortados porque as empresas tiveram que paralisar as atividades, deverão ser financiados pelo seguro-desemprego.

Já no caso daqueles que reduzirem o expediente e trabalharem em home office, terão os demais 50% de suas rendas também custeado pelo poder público. As medidas ainda não foram confirmadas oficialmente, mas se aprovadas deverão amenizar os impactos da primeira MP.

Leia também: Coronavírus: conheça todas os incentivos econômicos criados pelo governo

O pagamento de ambos os benefícios, se for adiante, deverá ser custeado pelos cofres públicos. Segundo o próprio governo, o ministério da economia tem um recurso entre R$ 30 bilhões e R$ 36 bilhões para ofertar à categoria.

Apesar de parecer positiva para a classe trabalhadora, a medida foi motivo de tumulto ao longo de toda essa segunda-feira (23). Seu texto inicial determinava que os empregadores teriam o direito de exonerar seus funcionários e suspender seus salários por até 4 meses, enquanto durasse o período de calamidade pública, concedido até 31 de dezembro deste ano.

Ao ser notificada pela imprensa, a ação virou alvo de críticas dos portais de comunicação, especialistas em economia, advogados trabalhistas e demais representantes da sociedade.

A redução de até 50% no salário daqueles que recebessem acima de três salários mínimos foi vista como uma forma de benefício apenas aos empresários, pondo em risco a segurança e estabilidade financeira do contratado.

Leia também: Mudanças no BPC entram em vigor e prometem atender mais pessoas

Após a pressão, Jair Bolsonaro anunciou que iria revogar a medida para que ela passasse por uma nova avaliação. Em seu pronunciamento, ainda na noite de ontem (24), ele não mencionou as novas propostas.

Segundo fontes do palácio, as alterações serão realizadas apenas no que diz respeito aos cortes de salário. No entanto, os outros pontos, como aceitação do home office, antecipação de férias e mais, deverão ser mantidos.

Maria Eduarda Andrade, mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.