ANÚNCIO

Nesta terça-feira (24), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) disse que os partidos articulam a elaboração de uma proposta prevendo a redução dos salários de servidores públicos e parlamentares durante o período da crise de coronavírus no país.

Salários dos servidores e parlamentares podem ser reduzidos, diz Maia
Salários dos servidores e parlamentares podem ser reduzidos, diz Maia (Imagem:Reprodução/Google)
ANÚNCIO

Em entrevista à Globonews, Maia defendeu que os três poderes, ou seja, Executivo, Legislativo e Judiciário, devem contribuir neste momento.

“Os partidos estão tratando disso e, certamente, eles vão apresentar uma proposta coletiva, de todos, que acho que represente a posição pelo menos de parte dos partidos políticos”, afirmou.

Leia Também:Abono PIS/PASEP finaliza calendário! Veja se ainda pode receber

O objetivo é que essa economia ajude os cofres públicos a diminuir a queda de receita do governo federal nos próximos meses.

“Todos sabem que haverá empobrecimento da população e todos sabem que a renda do brasileiro vai ser menor. Então, todos os poderes precisam contribuir, inclusive os deputados, os juízes, os fiscais de renda, todos os servidores”, disse.

O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) que é um dos articuladores da proposta, afirmou que a ideia é propor uma redução nos salários dos servidores de forma escalonada. Veja como ficará:

  • Zero para quem ganha até R$ 5 mil;
  • 10% para quem ganha até R$ 10 mil;
  • 20% a 50% para salários superiores a R$ 10 mil.

De acordo com o texto, a redução terá duração excepcional, enquanto o estado de calamidade pública permanecer. Essa condição foi aprovada pelo Congresso na última semana, ou seja, até o dia 31 de dezembro deste ano. 

A proposta deve reduzir os salários pelo período de três meses e pode ser prorrogada pelo mesmo período. 

Leia Também: Voucher de R$200 para informais: saiba tudo sobre a nova solução do governo

Os servidores das áreas de saúde e de segurança pública que estejam trabalhando durante o estado de calamidade pública não poderão sofrer cortes em seus salários.

A economia com a redução dessas remunerações seria integralmente repassada ao Ministério da Saúde para a utilização em ações de combate à pandemia do novo coronavírus.

Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas, formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes, atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.