publicidade

Nesta terça-feira (24), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) disse que os partidos articulam a elaboração de uma proposta prevendo a redução dos salários de servidores públicos e parlamentares durante o período da crise de coronavírus no país.

Salários dos servidores e parlamentares podem ser reduzidos, diz Maia
Salários dos servidores e parlamentares podem ser reduzidos, diz Maia (Imagem:Reprodução/Google)
publicidade

Em entrevista à Globonews, Maia defendeu que os três poderes, ou seja, Executivo, Legislativo e Judiciário, devem contribuir neste momento.

“Os partidos estão tratando disso e, certamente, eles vão apresentar uma proposta coletiva, de todos, que acho que represente a posição pelo menos de parte dos partidos políticos”, afirmou.

Leia Também:Abono PIS/PASEP finaliza calendário! Veja se ainda pode receber

O objetivo é que essa economia ajude os cofres públicos a diminuir a queda de receita do governo federal nos próximos meses.

“Todos sabem que haverá empobrecimento da população e todos sabem que a renda do brasileiro vai ser menor. Então, todos os poderes precisam contribuir, inclusive os deputados, os juízes, os fiscais de renda, todos os servidores”, disse.

O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) que é um dos articuladores da proposta, afirmou que a ideia é propor uma redução nos salários dos servidores de forma escalonada. Veja como ficará:

  • Zero para quem ganha até R$ 5 mil;
  • 10% para quem ganha até R$ 10 mil;
  • 20% a 50% para salários superiores a R$ 10 mil.

De acordo com o texto, a redução terá duração excepcional, enquanto o estado de calamidade pública permanecer. Essa condição foi aprovada pelo Congresso na última semana, ou seja, até o dia 31 de dezembro deste ano. 

A proposta deve reduzir os salários pelo período de três meses e pode ser prorrogada pelo mesmo período. 

Leia Também: Voucher de R$200 para informais: saiba tudo sobre a nova solução do governo

Os servidores das áreas de saúde e de segurança pública que estejam trabalhando durante o estado de calamidade pública não poderão sofrer cortes em seus salários.

A economia com a redução dessas remunerações seria integralmente repassada ao Ministério da Saúde para a utilização em ações de combate à pandemia do novo coronavírus.

COMENTÁRIOS

Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.