O recolhimento da contribuição do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) dos trabalhadores pode ser realizado com atraso, nos meses de vencimento de abril, maio e junho. A medida do governo deve aliviar o caixa das empresas neste momento de crise por conta do avanço do coronavírus.

FGTS vai pausar contribuições por 3 meses! Entenda como fica o trabalhador
FGTS vai pausar contribuições por 3 meses! Entenda como fica o trabalhador (Imagem: Montagem/FDR)
publicidade

Por conta disso, a ação gerou dúvidas entre os empregados que têm medo de serem demitidos e ficar sem o dinheiro do fundo de garantia. 

Leia Também: Novo saque do FGTS mira trabalhador com corte no salário durante crise

De acordo com a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, esse risco não existe. 

A medida provisória que foi editada no domingo (22) à noite, não retira das empresas a obrigação de pagarem os valores suspensos nesse período.  

A única mudança é que o tempo será maior, o governo deu seis meses para o valor ser quitado, sem a incidência de encargos nas prestações que terão vencimentos entre julho e dezembro deste ano. 

Já o saldo da conta do trabalhador para fins rescisórios, no qual incide uma multa de 40% em casos de demissão sem justa causa, continua sendo atualizado como se o empregador continuasse efetuando os recolhimentos. 

Porém, as empresas têm um prazo de até 20 de junho para informar o quanto deixaram de pagar e isso será um reconhecimento da dívida e do compromisso de pagá-la.

Se o trabalhador for dispensado no período de suspensão ou no período em que a empresa ainda paga as parcelas atrasada, o fundo vai cobrir os pagamentos devidos ao cidadão. 

Após isso, a empresa deve reembolsar o que falta do fundo, a demissão inclusive antecipa o vencimento do que ainda não foi pago.

O FGTS é um benefício de direito para todos os brasileiros que trabalham com carteira assinada. A conta do FGTS é aberta pela empresa, e mensalmente são depositados 8% do salário bruto do funcionário.

Leia Também: Bolsa Família deve receber R$3 bilhões em nova MP do governo

A estimativa do Ministério da Economia é que com a prorrogação do prazo para depositar as parcelas no fundo de garantia, as empresas tenham um alívio de R$30 bilhões nos três meses.

COMENTÁRIOS

Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.