Contrato de trabalho é modificado em recuo do presidente

Neste domingo (22), o presidente Jair Bolsonaro editou uma Medida Provisória (MP) que altera uma série de regras sobre o contrato de trabalho durante a pandemia do coronavírus. Essa medida foi publicada na edição extra do Diário Oficial da União.

Contrato de trabalho recebe novas regras em recuo do presidente
Contrato de trabalho é modificado em recuo do presidente (Imagem:Reprodução/Google)

O texto incluía a possibilidade de suspensão do contrato de trabalho pelo tempo de quatro meses, período em que o empregador deveria garantir a participação do trabalhador em curso ou algum programa de qualificação profissional não presencial.

Leia também: ESTES concursos públicos foram adiados por conta do coronavírus

Dentre os benefícios, o plano de saúde seria garantido durante esse tempo de dispensa. Mas, o salário poderia ser cortado proporcionalmente.

Porém, na parte da tarde desta segunda-feira (23), o presidente informou que revogou esse trecho específico da MP. 

Por ser uma medida provisória, o texto deve passar a valer imediatamente, mas mesmo assim precisa ser aprovada pelo Congresso Nacional em até 120 dias para que não perca a validade. 

A proposta do governo é para que as propostas evitem demissões em massa. Estabelecendo formas de combater os efeitos do novo coronavírus sobre o mercado de trabalho e a economia.

Para isso, fez parte das modificações regras que incluíram:

  • Teletrabalho (trabalho à distância, como home office)
  • Regime especial de compensação de horas no futuro em caso de eventual interrupção da jornada de trabalho durante calamidade pública
  • Suspensão de férias para trabalhadores da área de saúde e de serviços considerados essenciais
  • Antecipação de férias individuais, com aviso ao trabalhador até 48 horas antes
  • Concessão de férias coletivas
  • Aproveitamento e antecipação de feriados
  • Suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho
  • Adiamento do recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS)
  • Acordos individuais entre patrões e empregados estarão acima das leis trabalhistas ao longo do período de validade da MP para “garantir a permanência do vínculo empregatício”, desde que não seja descumprida a Constituição. 

A medida provisória ainda tem considerações sobre teletrabalho:

  • Não será preciso alterar contrato para o empregador determinar o teletrabalho e a posterior volta ao trabalho presencial;
  • O empregado deve ser informado da mudança com no mínimo 48 horas de antecedência;
  • Um contrato escrito, fora o contrato tradicional de trabalho, deverá prever aspecto relativos à responsabilidade da aquisição, manutenção e fornecimento de equipamento tecnológico para teletrabalho e o reembolso de despesas arcadas pelo empregado;
  • Quando o empregado não dispuser do equipamento necessário para o trabalho remoto, o empregador poderá disponibilizá-lo de modo que depois seja devolvido pelo empregado;
  • Se o empregado não dispuser de equipamento e a empresa não puder fornecê-lo, o tempo normal da jornada de trabalho será computado como tempo de trabalho à disposição do empregador.

Leia também: Coronavírus: mais de 46,8 milhões de trabalhadores terão ganhos afetados

  • Libera o teletrabalho também para estagiários e aprendizes.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA