Comércio pede socorro com prorrogação do IRPF e adiantamento do FGTS

O setor de comércio e serviços que é o maior empregador do país, sofre com os efeitos da pandemia do coronavírus. Apenas nas atividades de turismo, bares e restaurantes, a crise coloca em risco ao menos 9 milhões de vagas, conforme as estimativas do segmento. 

Comércio pede socorro com prorrogação do IRPF e adiantamento do FGTS
Comércio pede socorro com prorrogação do IRPF e adiantamento do FGTS (Imagem:Reprodução/Google)

O fechamento dos estabelecimentos de algumas capitais nesta semana, fez com que o representantes do empresariado esperassem novas medidas do governo para conter as demissões em massa.

Leia também: Governo Bolsonaro lança MP que suspende trabalho e remuneração por 4 meses

A Confederação Nacional do Comércio (CNC), enviou uma série de reivindicações ao governo federal para ajudar o setor a atravessar a crise. 

Essas medidas incluem a prorrogação do pagamento do Imposto de Renda e as demais contribuições por um prazo de 180 dias.

Além disso, a liberação de saque de até 50% do FGTS para os trabalhadores e a adoção da suspensão temporária do contrato de trabalho, o que é chamado de lay-off. 

A organização solicita linhas de crédito sem ou com juros que sejam subsidiados pelo governo para o capital de giro, que são os recursos necessários para o dia a dia da empresa. 

O setor pode aumentar provisoriamente o limite de crédito consignado para 40% do salário ou benefício. 

Em entrevista ao jornal O Globo, o economista-chefe da CNC, Carlos Thadeu de Freitas, estima que o turismo deve perder R$4 bilhões em receitas em apenas dois meses. 

“Hotéis, bares e restaurantes precisam receber incentivos fiscais, o que significa adiamento do pagamento de impostos e do FGTS de trabalhadores. O setor de serviços é o mais prejudicado e, especialmente no turismo, se não houver esse tipo de medida, o desemprego será maciço”, disse.

Leia também: Coronavírus: entenda mudanças nas regras do INSS, após surto

São seis milhões de empregados que realizam a movimentação de R$250 bilhões ao ano, de acordo com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel).

A entidade ainda requer que os trabalhadores do setor recebam um salário mínimo, que hoje é de R$1.045, vindo do governo federal durante o período que os estabelecimentos estiveram impedidos de operar. 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA