Minha Casa Minha Vida sofre graves consequências devido as ações do governo

Alterações e instabilidade nas decisões do Minha Casa Minha Vida ameaçam a existência do programa. Desde o segundo semestre de 2019, o ministério do desenvolvimento regional vem elaborando uma proposta de reformulação no projeto, entretanto as medidas estão sendo travadas e o governo federal vem encontrando dificuldades para restabelecer os financiamentos.

Minha Casa Minha Vida sofre graves consequências devido as ações do governo (Imagem: Reprodução - Google)
Minha Casa Minha Vida sofre graves consequências devido as ações do governo (Imagem: Reprodução – Google)

As modificações fazem parte da proposta do presidente Jair Bolsonaro de facilitar o sonho da casa própria de milhões de brasileiros.

No fim de 2019, o presidenciável anunciou a criação de novas categorias e também a reformulação nas formas de liberação de verba que agora serão por meio de vouchers direcionado aos beneficiários e profissionais de engenharia.

Leia também: Minha Casa Minha Vida construído em Maresias gera protesto dos moradores

Apesar de parecer positiva, a mudança se tornou motivo de crítica e crise entre os parlamentares, fazendo com que o então ministro do desenvolvimento regional, Gustavo Canuto, pedisse demissão nessa última quinta-feira (6).

Para poder dar continuidade aos serviços, o atual secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, assumirá o cargo. Entre as consequências desse embate público, especialistas afirmam que as operações de crédito podem ser canceladas.

Desde o início das alterações, as faixas entre 1,5 e 2 do programa – que envolvem famílias com renda entre R$ 1.600 e R$ 4 mil – estão suspensas. Segundo o governo, o entrave aconteceu graças a concessão de subsídios (descontos a fundo perdido no valor do financiamento) bancados pelo FGTS e pela União.

Leia também: CNH Social Goiás divulga lista dos aprovados em 2020; acesse!

Orçamento federal para o Minha Casa Minha Vida

Neste ano, o governo separou cerca de R$ 295 milhões responsáveis por garantir o andamento do programa. Acontece que o valor está abaixo do que foi exigido pela União.

Segundo a regra de fundo, deveria haver uma entrada de 10% do total de recursos disponibilizados para o MCMV, o que equivale R$ 9 bilhões. Isso significa que o governo teria de ter reservado R$ 900 milhões para este ano.

José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (Cbic), afirma que diversas empresas do ramo estão entrando em crise por não conseguirem liberar os imóveis já construídos, aumentando o grau de incerteza do projeto.

Ao ser questionado, o Ministério da Economia não se manifestou, sem apresentar possíveis soluções.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA