Portabilidade de crédito imobiliário alcança número incrível depois de ação dos bancos

O sonho da casa própria tornou-se mais fácil para os brasileiros. Graças aos cortes na taxa básica de juros e a redução do custo de financiamento concedida pelos bancos, a portabilidade do crédito imobiliário está sendo cada vez mais procurada nas instituições financeiras. Segundo dados do Banco Central, somente entre janeiro e novembro de 2019, a modalidade somou mais de R$ 1,46 bilhão.

Portabilidade de financiamento imobiliário alcança número incrível depois de ação dos bancos
Portabilidade de financiamento imobiliário alcança número incrível depois de ação dos bancos

Tal número, se comparado com o mesmo período em 2018, representa um acréscimo de 175,43%. Apenas em novembro de 2019, mais de 1.094 mutuários da casa própria transferiram dívidas.

Leia também: Financiamento imobiliário da Caixa Econômica prevê crescimento histórico

O valor total da modalidade aplicada pelas instituições financeiras somou mais de R$ 250,8 milhões, apresentando um aumento de 367,02% em relação ao mesmo mês de 2018. Até então, a média das taxas cobradas em novos financiamentos eram de 7,2% ao ano.

Segundo os especialistas, o crescimento deve ser associado ao fato de que agora está mais barato dar entrada em um financiamento, despertando o interesse de muitos que tinham a solicitação de crédito imobiliário como um projeto futuro.

Por meio da portabilidade do financiamento, que representa a troca do banco financiador, é possível que o consumidor reduza os valores das parcelas, tornando o empréstimo ainda mais atraente.

É válido ressaltar que para os bancos trata-se de um mercado em acessão, por isso as instituições devem trabalhar cada vez mais para atrair clientes com antigos contratos de financiamento imobiliário.

Segundo o chefe do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro (Denor) do BC, João André Calvino Marques Pereira, os números positivos devem ser relacionados ao desenvolvimento econômico nacional.

“Temos uma melhora da economia, que se reflete na oferta de imóveis e de crédito imobiliário. A redução da taxa de juros teve impacto na queda da taxa das operações de crédito”, afirmou.

Já o economista José Dutra Vieira Sobrinho, especialista em Matemática Financeira, explica que o crescimento da portabilidade deve ser relacionado à baixa dos juros, fator importante na hora da negociação.

 “A portabilidade cresceu em função da queda dos juros, mas há também uma atitude mais agressiva dos bancos. O banco tem muito interesse em atrair o cliente. Quem entra em um financiamento habitacional se torna consumidor de longo prazo de outros produtos.”

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.