Fintechs podem trazer novidades nos seus pagamentos; saiba o que muda

Governo de olho na inovação. Após o Banco Central anunciar que deseja que os usuários de bancos digitais possam sacar dinheiro em qualquer caixa eletrônico, o governo federal está cogitando a possibilidade de utilizar as fintechs para seus procedimentos financeiros. Segundo uma reportagem do Valor Investe, o ministério da economia está estruturando um projeto nesse sentido.

Fintechs podem trazer novidades nos seus pagamentos; saiba o que muda
Fintechs podem trazer novidades nos seus pagamentos; saiba o que muda

A ideia é que serviços como o pagamento dos servidores públicos e tributos, do tipo IPVA e IPTU, possam ser gerenciados pelos bancos digitais. Deixando de lado as grandes instituições financeiras que já atuam em parceria há anos.

Leia também: Bancos digitais receberão parceria para venda de criptomoeda

Segundo a reportagem, o projeto tem como objetivo ampliar tais pagamentos de modo que eles sejam resolvidos pelas plataformas digitais. Ainda não há um prazo e nem medida devidamente definidas, apenas especulações sobre possíveis propostas.

Aparentemente, a ideia está sendo debatida entre as esferas do BC, da Receita Federal e da Secretaria do Tesouro Nacional.

Hoje em dia, os bancos responsáveis pelos serviços públicos são o Itaú Unibanco, o Banco do Brasil (BB), o Bradesco, a Caixa Econômica e o Santander, gerando uma receita de R$ 8,9 bilhões, entre janeiro e setembro de 2019. Com as fintechs, espera-se que a despesa seja menor.

O que pode mudar com a entrada das fintechs?

Hoje, na hora de pagar impostos ou demais serviços do governo, o cidadão precisa se informar se sua instituição financeira tem ou não ligação com o governo.

Como no caso do pagamento do FGTS, onde o beneficiado não ligado ao banco precisa ir até a Caixa Econômica Federal para sacar o valor.

Se o projeto for adiante e tiver aprovação no Senado e na Câmara Nacional, esse procedimento poderá ser realizado por plataformas online, dispensando a ida até uma unidade física. Estão sendo cotados bancos digitais como o Nubank, Banco Inter ou C6 Bank para realizar tais operações.

O motivo da escolha diz respeito a aceitabilidade dos usuários quanto as marcas. Estas já em atuação no mercado, veem sendo consideradas as mais solicitadas e bem avaliadas por seus titulares. Além disso, apresentam ótimas recomendações e avaliações no mercado financeiro.

O assunto já está em pauta entre a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e a Associação Brasileira de Bancos (ABBC) com supervisão do BC e deve ser anunciado em breve.

Você gostou deste conteúdo? AVALIE:

Avaliação média: 0
Total de Votos: 0

Fintechs podem trazer novidades nos seus pagamentos; saiba o que muda

×
Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA