Seguro desemprego está prestes a entrar em crise e a culpa é do FGTS

Saque-imediato do FGTS vem causando problemas para aqueles que tentam solicitar o seguro-desemprego. Uma reportagem especial do Portal G1 relatou que há brasileiros que estão enfrentando problemas após suas demissões, pois por terem recebido o deposito da nova modalidade do fundo de garantia, não conseguem ter acesso ao auxílio de desemprego.

Seguro desemprego está prestes a entrar em crise e a culpa é do FGTS
Seguro desemprego está prestes a entrar em crise e a culpa é do FGTS
publicidade

Segundo a matéria, ao tentar solicitar o benefício os trabalhadores estão sendo convidados a dar entrada no chamado “recurso 557” que possui um prazo de 60 dias para poder liberar o valor.

Leia também: Seguro desemprego e PIS recebem reajuste maior que o esperado

Aqueles que solicitam o seguro desemprego, conforme a lei, devem receber em até 30 dias. Entretanto, com a liberação do saque-imediato, está havendo um conflito nos dados do FGTS, impedindo que a retirada seja feita.

No cadastro do Ministério da Economia, consta mais de uma informação sobre o FGTS, por isso é preciso esperar até dois meses para poder regularizar a situação.

Entretanto, é válido ressaltar que o governo federal, ao liberar o saque-imediato, informou que o mesmo não teria influência alguma sobre o seguro-desemprego.

Segundo os gestores, a gratificação era independente e não ocasionaria em atrasos ou confisco de pagamento.

Assistente social, Vanessa Fernandes, de 36 anos, é uma das trabalhadoras que tentou o recurso após ser demitida.

Segundo ela, ao solicitar o seguro, foi informada que precisaria entrar com ‘recurso 557’ porque o dinheiro do saque imediato do FGTS havia sido depositado automaticamente em sua conta poupança da Caixa, bloqueando a liberação do benefício.

“Me falaram que é um código gerado que está afetando 90% dos trabalhadores que dão entrada no seguro-desemprego. E que o procedimento é sempre esse: entrar com recurso e, enquanto isso, o trabalhador fica sem receber”, conta em entrevista ao G1.

Procurada pelo G1, a Secretaria do Trabalho reforçou que o saque-imediato não modifica as regras do seguro desemprego.

“No momento em que o trabalhador solicita o benefício, o sistema verifica o código de saque do FGTS com a finalidade de confirmar a demissão sem justa causa. Havendo divergência de informação entre as bases de governo, o requerimento do seguro-desemprego é notificado. Para recorrer, o trabalhador deve cadastrar um recurso motivo 557, que pode ser feito pelo gov.br, pelo aplicativo para celular e também por atendimento presencial”, afirmou na nota.

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.