Seguro desemprego e PIS recebem reajuste maior que o esperado

Mudança do salário mínimo trará reajustes positivos para o bolso de alguns brasileiros. Com o novo piso salarial em R$ 1.039 serão alterados também os valores referentes ao seguro desemprego, abono do PIS/Pasep e o Benefício de Prestação Continuada (BPC). Os programas são destinados a todos os trabalhadores de carteira assinada e contarão com o mesmo índice de correção do mínimo, de 4,1%.

Seguro desemprego e PIS recebem reajuste maior que o esperado
Seguro desemprego e PIS recebem reajuste maior que o esperado

Seguro Desemprego

No seguro-desemprego, o valor do pagamento varia de acordo com a média salarial dos últimos três meses de registro do trabalhador. Quanto maior seu salário, mais alto será o auxílio.

Entretanto, como a lei determina um piso nacional igualitário, a parcela deste irá subir para R$ 1.039, conforme o novo valor de 2020. Este valor é o mínimo a ser pago aos recém desempregados.

Leia também: Abono PIS/PASEP será modificado com novo piso? Entenda!

Têm direito ao seguro desemprego todos aqueles que trabalharam de carteira assinada e foram demitidos sem justa causa.

O pagamento deve ser feito de três a até cinco parcelas, a depender de quanto tempo o empregado exerceu seu oficio. Outro fator levado em consideração é a quantidade de vezes em que o mesmo solicitou o seguro.

PIS/Pasep

No caso do PIS/Pasep, o abono salarial também é pago mediante ao piso nacional. Quem sacar o auxílio a partir do calendário 2020 – 2021 já contará com o reajuste maior do que 2019.

Considerando o calendário do ano anterior, podem sacar os trabalhadores nascidos entre julho e dezembro. Na sequência será liberado para os aniversariante de janeiro a junho.

Para receber o abono é preciso ter trabalhado ao menos um mês de carteira assinada e receber até dois salários mínimos mensais (equivalente a 1.996 reais) no ano anterior ao de início do calendário. O cálculo é feito de acordo com o tempo de serviço prestado.

Os trabalhadores que só atuaram por um mês vão deixar de receber R$ 84 para receber R$ 86,58. No caso daqueles com a carteira assinada o ano inteiro, a quantia subirá de R$ 998 para R$ 1.039.

Benefício de Prestação Continuada

Por fim, o Benefício de Prestação Continuada (BPC/Loas). O auxílio também tem como valor base o salário mínimo e por isso sofrerá modificações.

Para poder usufruir do pagamento é preciso ter mais de 65 anos ou alguma deficiência que impossibilite trabalhar. É exigido também uma renda mensal de até 25% do piso nacional por pessoa da família, sendo de R$ 259,75 este ano.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.