Crise no INSS: entenda o que fez a fila de pedidos aumentar tanto

Há semanas não se fala em outra coisa se não a crise no INSS. Iniciada ainda no segundo semestre de 2019, a situação diz respeito ao acúmulo nas filas de solicitação de benefícios. Atualmente, são cerca de mais de 2 milhões de pedidos acumulados, fazendo com que o governo federal desenvolvesse uma espécie de força-tarefa para poder conter o número.

Crise no INSS: entenda o que fez a fila de pedidos aumentar tanto
Crise no INSS: entenda o que fez a fila de pedidos aumentar tanto

Um dos principais motivos dos atrasos e da atual crise no INSS está relacionado a aprovação da reforma da previdência.

Saiba também: Novas faixas de contribuição do INSS são publicadas e ganham reajuste

Homologada em 13 de novembro de 2019, a PEC modificou as regras dos benefícios e estas ainda não foram atualizadas no sistema do INSS.

Desse modo, os servidores não conseguem aprovar os pedidos e os trabalhadores ficam impedidos de solicitar novos auxílios.

Além disso, outro grande motivo para o entrave diz respeito ao não funcionamento da DataPrev. Trata-se de uma empresa pública responsável pela geração dos relatórios que constam todas as informações dos segurados.

Renda, documentações pessoais, benefícios, entre outros dados, devem estar devidamente atualizados na planilha. Entretanto, o relatório que vem sendo realizada desde o ano de 2018 não foi concluída, atrasando ainda mais a análise dos benefícios.

Força-tarefa em combate à crise no INSS

Cientes dos prejuízos financeiros que o atraso está causando, o governo federal anunciou uma ação de força-tarefa para poder tentar conter a situação.

Para isso, 7 mil militares reservistas entrarão nas unidades físicas do INSS para trabalharem nos guichês de atendimentos a população.

Enquanto isso, os servidores do instituto estarão liberados para poder adiantar as análises dos benefícios.

Outra medida diz respeito ao pagamento de horas extras e espécies de gratificações, como forma de incentivo para os funcionários que estenderem o tempo de trabalho.

Tempo de espera e violação judicial

Perante a lei, o INSS tem até 45 dias para aprovar ou reprovar um benefício. Atualmente, o prazo está em 120 dias, sendo mais do que o dobro permitido.

Tal atraso vem acarretando em processos judiciais contra o instituto, que deverá arcar não só com o valor dos auxílios como também com o tempo de atraso em que estes não foram pagos.

As ações contribuem ainda mais para a crise, tendo em vista que ocasionará em um rombo nos cofres orçamentários da previdência.

Você gostou deste conteúdo? AVALIE:

Avaliação média: 0
Total de Votos: 0

Crise no INSS: entenda o que fez a fila de pedidos aumentar tanto

×
Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA