Financiamento imobiliário: bancos batalham por melhor condição e clientes só têm a ganhar

Novidades para aqueles que desejam solicitar financiamento imobiliário. Nessa terça-feira (7), o Santander anunciou o aumento de 80% para 90% no limite desse serviço. A partir de agora, seus clientes que desejam obter um imóvel terão maiores oportunidades para adquiri-lo. E este não foi o único banco a promover melhores condições.

Financiamento imobiliário: bancos batalham por melhor condição e clientes só têm a ganhar
Financiamento imobiliário: bancos batalham por melhor condição e clientes só têm a ganhar

Para poder solicitar, é preciso que o residencial (seja novo ou usado) tenha um valor acima de R$ 90 mil. Os contratos deverão ser realizados por meio do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e do Sistema Financeiro Imobiliário (SFI).

Leia também: IRPF: consulta ao lote residual estará disponível a partir de quarta-feira

Quanto ao limite, esse só será válido para os contratos que estejam aprovados pelo Sistema de Amortização Constante (SAC), no qual determina que o valor das parcelas reduzam a partir dos pagamentos.

O financiamento imobiliário poderá ser realizado dentro de um período de até 420 meses (35 anos) e contará com uma taxa mínima de juros de 7,99% ao ano, mais a Taxa Referencial (TR).

Ao anunciar a mudança, o Santander se tornou a instituição financeira com o melhor percentual de entrada no que diz respeito ao financiamento imobiliário.

Condições financiamento imobiliário dos bancos

Comparativo de juros para financiamento de imóveis

Banco Sistema Financeiro Habitacional (SFH) Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI) – carta de crédito pró-cotista FGTS limite máximo do financiamento
Caixa (modalidades tradicionais) a partir de 6,5% ao ano + TR a partir de 6,5% ao ano + TR entre 8,76% e 9,01% ao ano + TR até 80% do valor para imóveis novos e 70% do valor para usados
Caixa (linha nova, atualizada pela inflação) a partir de 2,95% + IPCA a partir de 2,95% + IPCA não opera até 80% do valor o imóvel
Banco do Brasil (modalidades tradicionais) a partir de 7,4% ao ano + TR a partir de 7,4% ao ano + TR (na carteira habitacional hipotecária) 9% ao ano + TR (disponível para imóveis novos e usados) até 80% do valor do imóvel novo ou usado
Banco do Brasil (linha nova, atualizada pela inflação) a partir de 3,45% + IPCA a partir de 3,45% + IPCA não opera até 70% do valor o imóvel (para clientes private e estilo)
Itaú Unibanco a partir de 7,45% ao ano + TR a partir de 7,45% ao ano + TR não opera até 82% do valor do imóvel (tanto para novos como usados)
Bradesco a partir de 7,30% ao ano + TR a partir de 7,30% ao ano + TR (na carteira habitacional hipotecária) não opera até 80% do valor do imóvel novo ou usado
Santander a partir de 7,99% ao ano + TR a partir de 7,99% ao ano + TR a partir de 7,59% +TR (apenas para imóveis novos) Até 90% do valor do imóvel (tanto para novos como usados)

Fonte: Levantamento G1

Cuidados na hora de financiar

Quem desejar dar entrada em um financiamento deve ficar atento a algumas questões. Antes de mais nada, se informar bem sobre todas as condições oferecidas pelos bancos. Quais as taxas, prazos de pagamento, exigências dos contratos, etc.

Além disso, é importante saber enquadrar o valor da parcela dentro do orçamento mensal, para que o mesmo não seja ultrapassado. Procurar por um imóvel bom financeiramente que atenda às necessidades e desejos do contratante.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.