publicidade

Protesto com feridos marca sessão extraordinária na Paraíba. Durante a ocasião, manifestantes invadiram a Câmara Municipal de Campina Grande e realizaram reivindicações contra o projeto da reforma da Previdência municipal que aumenta a alíquota de contribuição dos servidores públicos. Ao menos duas pessoas ficaram feridas na confusão nesta segunda-feira (30).

Previdência de Campina Grande é aprovada em sessão polêmica
Previdência de Campina Grande é aprovada em sessão polêmica Foto: Felipe Valetim / TV Paraíba
publicidade

A proposta aumenta a alíquota de contribuição da previdência para os servidores. A alteração faz com que o índice subisse de 11 para 14%, o que representa um crescimento de três pontos percentuais.

Leia também: Sancionada reforma da Previdência dos militares

O projeto foi aprovado durante a sessão em questão. Mas, por não concordar com as alterações, alguns manifestantes invadiram a  Câmara Municipal para realizar protestos.

Ainda assim, a reforma foi aprovada em Plenário e passará a entrar em vigor a partir de março de 2020.

Apenas cinco vereadores votaram contra a reforma da previdência municipal, dos 21 presentes. Foram eles: Olimpio Oliveira (MDB); Anderson Maia (PSB); Bruno Faustino (PSB); Galego do Leite (Podemos); e Rodrigo Ramos (PDT). Já o presidente da casa Félix Araújo, a vereadora Ivonete Ludgério (PSD), não vota.

O tumulto provocado foi durante a votação da reforma. A confusão provocou a suspensão da sessão por cerca de uma hora. De acordo com informações da TV Paraíba, os manifestantes invadiram o plenário para tentar impedir a continuação da votação.

Durante a assembléia, duas pessoas tiveram ferimentos leves, entre eles, um dos seguranças da Câmara Municipal de Campina Grande e um manifestante. Mas até por volta das 12h, como detalha a TV Paraíba, as vítimas não tinham dado entrada no Hospital de Trauma de Campina

A Polícia Militar foi acionada para conter o tumulto, que ocasionou em vidros e objetos do Plenário quebrados. A PM, por sua vez, tentou diálogo com os presentes, tanto servidores quanto manifestantes, para que os mesmos pudessem sair do local. A votação só seguiu depois da retirada dos manifestantes da casa.

Juan Gouveia é formado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). É redator do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular, direitos trabalhistas e finanças diariamente.