publicidade

As estatísticas reforçam o motivo pelo qual a região do Nordeste é a maior beneficiada pelos auxílios do Bolsa Família. Desenvolvido para ajudar os cidadãos com renda mensal de até R$ 89,00, o programa tem como objetivo garantir o direito à moradia, saúde, alimentação e educação.

Nordeste lidera o ranking de beneficiados com o Bolsa Família
Nordeste lidera o ranking de beneficiados com o Bolsa Família
publicidade

O recorde de pessoas localizadas em situação de extrema pobreza vem aumentando gradativamente em todo o território brasileiro. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o país se encontra em uma de suas piores situações de crise econômica.

Leia também: Valor do Bolsa Família tem adicionais de acordo com grupo familiar; veja a tabela

A pesquisa revela que, somente em 2018, 13,5 milhões de cidadãos estavam vivendo abaixo da linha extrema da pobreza, sendo o Nordeste a área mais afetada, com 7,7 milhões de pessoas.

Atualmente, o programa de transferência de renda, o Bolsa Família, conta com mais de 13 milhões de famílias registradas no Cadastro único. E oferece benefícios que variam de R$ 89,00 até R$ 240, a depender da situação e estrutura familiar dos beneficiários.

Liberada pelo Ministério da Cidadania, a tabela do programa mostra que entre os estados nordestinos a Bahia apresenta o maior número de famílias cadastradas, contabilizando um recebimento de  R$ 332.058.293,00 somente durante este mês de novembro de 2019.

Já em segundo lugar, Pernambuco conta com 1.129.047 cadastros, recebendo R$210.126.867,00 no mesmo período. Na sequência, estão os estados do Ceará, Maranhão, Paraíba Piaui, Alagoas, Rio Grande do Norte e Sergipe, acumulando um valor total de R$ 1.321.841.041,00.

Segundo o IBGE, são considerados moradores em situação de extrema pobreza aqueles que vivem com menos de US$ 1,90 por dia, o que corresponde a aproximadamente R$ 145 por mês.

Cortes e reajustes no Bolsa Família

Apesar de ser a região com o maior número de cadastro, o Nordeste vem se mostrando cada vez mais afetados com os reajustes feitos, pelo Governo Federal, nos últimos 11 meses. A medida de análise, realizada desde janeiro, vem reduzindo consideravelmente a quantidade de nordestinos que teriam o direito de receber o benefício.

Intitulada de “pente-fino” trata-se de uma ação cujo objetivo é diminuir os números da folha de pagamento da União que estejam atrelados ao Bolsa Família. Segundo o Ministério da Cidadania, ao cortar os valores extras o governo visa remanejar tais investimentos para aqueles que estão precisando de auxílios.

Entretanto, exceto pela autorização do 13º salário, liberado a partir do mês de dezembro, estes brasileiros seguem sem perspectivas de melhoria no que diz respeito a sua qualidade de vida.

Fim da pobreza

Segundo o IBGE, mesmo considerando o atual cenário econômico, seria possível erradicar a extrema pobreza brasileira com um investimento mensal de R$ 1 bilhão. Para concluir tal afirmação, o instituto considerou que recebendo R$ 76 a mais por mês, os cidadãos abaixo da linha da pobreza poderiam sair dessas estatísticas.

COMENTÁRIOS

Maria Eduarda Andrade, mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.

VEJA TAMBÉM