DETRAN MG passa a usar tecnologia de reconhecimento facial pra evitar fraudes

O Departamento de Trânsito de Minas Gerais está contando com um serviço especial para detectar fraudes na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). O sistema de reconhecimento fácil dos motoristas tem como objetivo reduzir o número de crimes relacionados a clonagem, falsificação e estelionato no processo de emissão da CNH. A medida está em funcionamento desde o dia 21 de outubro e o DETRAN MG já detectou dois possíveis casos de estelionato.

DETRAN MG passa a usar tecnologia de reconhecimento facial pra evitar fraudes
DETRAN MG passa a usar tecnologia de reconhecimento facial pra evitar fraudes

Chefe da Divisão de Habilitação da cidade, a delegada Flávia Portes explica que o projeto prevê uma maior segurança para todos os motoristas, uma vez em que muitos têm suas documentações copiadas por gangues criminosas que atuam na falsificação de documentos.

Leia também: Com alíquotas chegando a 4% IPVA do sudeste é um dos mais caros do Brasil

Segundo ela, a violação mais comum envolvendo o Detran é quando os condutores são pegos utilizando uma CNH invalida, feia fora do órgão oficial.

Para detectar os infratores, a tecnologia utilizará da biometria coletada pelo próprio Detran. Os dados dos motoristas locais passaram a ser registrados automaticamente no banco de informações do Registro Nacional de Condutores Habilitados (Renach), possibilitando a consulta e confirmação da identidade caso seja necessário.

Ao comparar as informações, se for detectado um percentual de similaridade superior a 93%, o documento terá sua emissão na hora.

Caso o percentual seja inferior, a comprovação precisará ser feita manualmente por um funcionário do Detran e somente após a checagem a CNH terá autorização para ser emitida.

“Assim, quando a pessoa for solicitar a emissão de um novo documento, como segunda via, por exemplo, ele será submetido a uma nova coleta de fotografia e o sistema de reconhecimento facial irá verificar se há similaridade entre esta imagem recém coletada e aquela já cadastrada no banco nacional”, detalha a delegada.

Além disso, o programa também contará com a captura de imagens. Caso o candidato tenha fotografias anteriores aos últimos dois anos, precisará solicitar a emissão de um novo documento. Nesse caso, basta ir até a unidade do Detran MG ou qualquer outra clínica médica credenciada para solicitar uma coleta gratuita.

“O sistema prima por um banco de dados com fotos o mais atualizadas possível, então, o reaproveitamento de uma foto já existente no cadastro nacional só irá acontecer se ela tiver sido coletada há, no máximo, dois anos”, completou a oficial.

Você gostou deste conteúdo? AVALIE:

Avaliação média: 0
Total de Votos: 0

DETRAN MG passa a usar tecnologia de reconhecimento facial pra evitar fraudes

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA