Calculadora de Reajuste do Aluguel com base no IGP-M

Está em busca de uma ferramenta para simular o valor de correção dos aluguéis. Nesta página, disponibilizamos uma calculadora de reajuste do aluguel com base no Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) e outros indicadores. Entenda como usar!

Se você tem imóveis para alugar ou é um inquilino, vale observar a variação do respectivo índice para se programar no momento de locação do imóvel.

Como utilizar a calculadora que simula o Reajuste do Aluguel com base no IGP-M?

Em poucos passos, você pode descobrir quanto fica o reajuste do aluguel! Para realizar o cálculo, você precisa tem em mãos os seguintes dados:

  1. Valor do aluguel no início do contrato (preço cobrado inicialmente)
  2. Data do início do contrato (o dia/mês/ano em que o contrato foi firmado)
  3. Índice de reajuste (índice usado pelo contratante para reajustar os preços)
  4. Periodicidade do reajuste (frequência em que há reajuste do aluguel)

Para utilizar o simulador, basta preencher essas informações e clicar no botão “Calcular”. Logo após, a tela será atualizada automaticamente — com a variação do índice e o valor reajustado durante o período.

Caso queira fazer uma nova simulação de reajuste do aluguel, basta clicar na opção “Calcular novamente”.

O que é o IGP-M? por que ele é a base do cálculo?

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) é um indicador com a função de ser uma medida abrangente do movimento de preços — que abrangesse não somente diferentes atividades, mas também etapas distintas do processo produtivo.

Sendo assim, o IGP-M é um indicador do nível de atividade econômica do país, englobando seus principais setores. Este índice é divulgado mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Ibre).

Ao longo do tempo, o IGP-M se popularizou por ser usado amplamente como referência para o setor imobiliário, para o reajuste de contratos de aluguel. Este medidor visa chegar a uma correção justa — tanto para os inquilinos quanto para os proprietários.

O IGP-M se tornou o indicador usado para contratos de aluguel em consequência do período de hiperinflação registrado no país. Desse modo, o indexador passou a ser uma forma de proteger os acordos das variações monetárias.

Qual a diferença entre IGP-M e o IPCA?

Tanto o IGP-M quanto o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) são índices da economia brasileira para mensurar a variação dos preços de serviços e produtos. Apesar disso, os dois são diferentes.

O IPCA é considerado o indicador oficial da inflação no país, sendo medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Este índice aponta a variação do custo de vida médio de famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos.

Por um lado, o IPCA leva em conta somente os serviços e produtos ao consumidor — e realiza uma média das oscilações.

Já por outro, o IGP-M é uma cesta com três distintos índices na composição:

  • Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA)
  • Índice de Preços ao Consumidor (IPC)
  • Índice Nacional de Custo da Construção (INCC)

Destes três índices, o mais parecido com o IPCA é o IPC. O motivo é que ambos monitoram um conjunto de produtos similar. No entanto, o IPC representa somente 30% do IGP-M.

O valor do aluguel só pode ser ajustado com base no IGP-M? Como negociar de forma justa?

Periodicamente, os aluguéis são reajustes com base em algum índice oficial. Apesar de o IGP-M ser o mais usual, existem outros tipos de índices existentes no mercado que podem ser usados. Por exemplo, a calculadora do FDR disponibiliza os seguintes índices de reajuste:

  • Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M)
  • Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-DI)
  • Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)
  • Índice de Preços ao Consumidor – Brasil (IPC-Br)
  • Índice de Preços ao Consumidor – Brasil (IPC-Fipe)
  • Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)
  • Índice Geral de Preços (IGP-DI)

Anteriormente, os preços dos aluguéis eram reajustados em 1% sobre a quantia total do imóvel. No entanto, em meio às mudanças do mercado imobiliário, este método ficou em desuso.

Geralmente, vale o bom senso para que a negociação seja justa para as duas partes. Caso o preço fique muito baixo, pode resultar em perdas para o dono do imóvel. Por outro lado, se o valor ficar bastante acima, o cidadão pode se desinteressar.

Antes da assinatura do contrato, as partes podem negociar as cláusulas contratuais. De modo geral, alguma imobiliária se responsabiliza pelo desenvolvimento do contrato. Contudo, existem situações de contato direto entre os inquilinos e proprietários.

Como definir o valor CORRETO do aluguel do imóvel?

Para ter uma base de quanto cobrar de aluguel, segundo a teoria, o preço mensal tende a ser entre 0,5% e 1% do valor total do imóvel. Contudo outros fatores impactam o valor do bem — e também precisam ser considerados.

Por exemplo, se o percentual desejado está muito acima do cobrado pelos concorrentes, pelo mesmo tipo de imóvel na mesma região, tende a não ser o valor correto.

Ou seja, para ter uma base, é importante pesquisar os preços cobrados em imóveis similares da região. Diante disso, será possível definir o preço do aluguel.

Neste cálculo também devem ser considerados outros fatores, como: o número de vagas na garagem, reformas realizadas, tempo de uso, se é mobiliado, entre outros.

Para chegar no preço definitivo, também é valido entrar em contato com uma imobiliária. Esta empresa poderá oferecer uma consultoria sobre os valores a serem cobrados no respectivo imóvel.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.2 / 5. Número de votos: 24

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.