O que é o Movimento FIRE e como executá-lo?

Independência financeira e aposentadoria antecipada. Estes são os principais objetivos do Movimento FIRE. Criado no Estados Unidos, o movimento tem chamado a atenção por quebrar alguns paradigmas. Se aposentar antes dos 40 anos e não precisar mais se preocupar em trabalhar para pagar as contas.

O que é o Movimento FIRE e como executá-lo?
O que é o Movimento FIRE e como executá-lo?

É desta forma que alguns profissionais têm mudado drasticamente seu jeito de viver. Mas de que forma é possível ser independente financeiramente? Como fazer para executar esse plano de não depender mais do trabalho? A seguir será possível acompanhar algumas informações para responder estes questionamentos.

O trabalho convencional, aquele com expediente no horário comercial, está sofrendo mudanças. É que o número de profissionais que acaba se estressando diante deste ambiente é imenso. Pressão por metas, várias horas de trabalho durante a semana, pouquíssimo tempo livre e a sensação de viver aprisionado pelo sistema.

É justamente o inverso disso que o Movimento FIRE propõe. Poucos ainda enxergaram que é bem difícil manter a qualidade de vida atendendo um modelo de décadas atrás. É o momento que novos sistemas surgem para suprir uma demanda que presa por aproveitar a vida mesmo antes da aposentadoria.

Coworking (espaços de trabalho compartilhados), trabalhos remotos, freelancers, aplicativos. Estas denominações estão cada vez mais se popularizando. Mais do que um indício, estes termos comprovam que não só o jeito de se trabalhar está mudando, mas toda a sociedade passa por uma transformação.

De carona na ascensão tecnológica e na disseminação da internet, muitos projetos têm se alastrado pelo mundo e um deles é o Movimento FIRE. Trata-se de uma iniciativa que traça uma meta bastante audaciosa. A independência financeira antes dos 40 anos. Fazer o dinheiro trabalhar para si é um desafio.

Por isso, o movimento sugere que é possível atingir ganhos recorrentes a partir de uma organização monetária. Viver uma vida mais simples, otimizar ao máximo cada investimento e cortar gastos supérfluos são realidades indicadas pelo movimento. Em paralelo, aplicações financeiras, negócios escaláveis e uma essência mais minimalista podem ser a chave para o sucesso.

Embora vivenciar um cotidiano mais livre em termos de trabalho seja um dos pontos contemplados pelo Movimento FIRE, esta realidade não é positiva para todos. É que diversos indivíduos já estão acostumados com o cotidiano convencional. De casa para o trabalho, do trabalho para a casa. De segunda à sexta-feira.

Seguir as diretrizes da empresa em que atuam como colaboradores. Obedecer ordens sem questioná-las. Receber um salário satisfatório mesmo realizando uma atividade que não gosta. Todos esses pontos acabam se encaixando na vida de muitos, algo bem distinto para aqueles que buscam por atividades no estilo home office, ou mesmo àquelas ligadas às novas tecnologias.

Participar do Movimento FIRE não é apenas vivenciar o paraíso. É preciso abrir mão de inúmeras ações em prol de um futuro sem a necessidade do trabalho convencional. Ainda que grande parte das pessoas que participam desse movimento sejam Millennials (nascidos entre 1980 e os anos 2000), nem todos estão dispostos a realizar sacrifícios para obter uma vida com menos luxo.

Você gostou deste conteúdo? AVALIE:

Avaliação média: 4.2
Total de Votos: 4

O que é o Movimento FIRE e como executá-lo?

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Amanda Castro
Amanda Castro é graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) e graduanda de Administração pela Secretaria de Educação e Esportes de Pernambuco (SEE). É responsável pela área de negócios, tráfego e otimização SEO do portal FDR. Além disso, atua como redatora do portal FDR e demais portais de notícias desde 2017, produzindo conteúdo sobre economia, finanças pessoais e programas sociais.