Imposto de Renda: veja quais documentos separar neste ano para não ter prejuízos em 2024

Pontos-chave
  • Quem se planeja saí na frente quando o assunto é Imposto de Renda;
  • Alguns documentos são indispensáveis para comprovar as informações da declaração;
  • É preciso reunir comprovantes deste ano.

Parece cedo demais, mas aqueles se planejam conseguem entregar o Imposto de Renda no início do prazo. E assim têm acesso a benefícios como a liberação da restituição dentro dos primeiros lotes. Para garantir que nenhuma pendência ficará em seu nome, comece já a reunir os documentos necessários.

Imposto de Renda: veja quais documentos separar neste ano para não ter prejuízos em 2024
Imposto de Renda: veja quais documentos separar neste ano para não ter prejuízos em 2024 (Imagem: FDR)

A cada ano a Receita Federal tem divulgado novidades sobre a entrega e a tributação do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF). Para 2024 devem ser liberadas novas propostas, e quem conseguir se programar desde já conseguirá se beneficiar.

O Imposto é uma obrigação de quem obteve faturamento acima do limite no ano anterior. Quer dizer, tendo havido aumento de renda em 2023 o cidadão fica obrigado a enviar a declaração do IRPF, além de fazer o pagamento necessário. Há casos que apenas a declaração basta para ficar em dia com o Fisco.

Caso não envie nem a declaração, e não faça o pagamento que é obrigatório, o cidadão passa a ser penalizado. O que incluí desativação do seu CPF e a impossibilidade de participar de concurso público, emitir passaporte, renovar documento, fazer empréstimo ou tentar um financiamento.

Além disso, todos os dados informados na declaração do Imposto de Renda 2024 devem ser comprovados, a fim de não haver acusação de sonegação. É justamente por isso que alguns documentos devem ser separados desde já para que sejam anexados no ano que vem.

Quem precisa declarar Imposto de Renda em 2024?

O pagamento do imposto pode acontecer automaticamente para quem é trabalhador com carteira assinada, o desconto é feito no salário. Para quem precisa declarar Imposto de Renda em 2024, porém, o documento não é preenchido sozinho e vai depender da inclusão dos dados.

É possível contar com a ajuda de um profissional em contabilidade, mas que vai cobrar por esse serviço. Quem optar pelo preenchimento sozinho deve estar atento as regras, já que essa é uma obrigação daqueles que em 2023:

  • Recebeu rendimentos tributáveis (salários, aposentadoria, aluguéis…) acima de R$ 28.559,70;
  • Recebeu rendimentos isentos (FGTS, indenização trabalhista, pensão alimentícia…) acima de R$ 40 mil;
  • Teve receita bruta de atividade rural acima de R$ 142.798,50;
  • Pretende compensar prejuízos de atividade rural;
  • Teve ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto;
  • Realizou operação em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas acima de R$ 40 mil ou com apuração de ganhos líquidos sujeitos ao imposto;
  • Tinha em 31 de dezembro posse ou propriedade de bens acima de R$ 300 mil;
  • Passou à condição de residente no Brasil.

Quem constar como dependente na declaração de outra pessoa, não precisa fazer uma declaração própria.

Documentos necessários para Imposto de Renda 2024

Todas as informações passadas na declaração do ano que vem serão a respeito do ano de 2023. Por isso, quem puder guardar os documentos necessários para o Imposto de Renda 2024 conseguirá preencher o formulário de maneira mais rápida.

É possível usar a versão pré-preenchida da declaração, mas que embora já tenha as informações dos anos anteriores não tem os documentos para comprovação.

Comprovação de renda

  • informes de rendimentos de instituições financeiras inclusive corretora de valores;
  • informes de rendimentos de salários, pró labore, distribuição de lucros, aposentadoria, pensão etc.;
  • informes de rendimentos de aluguéis de bens móveis e imóveis recebidos de jurídicas;
  • informações e documentos de outras rendas percebidas no exercício, tais como rendimento de pensão alimentícia, doações, heranças recebida no ano, dentre outras;
  • resumo mensal do livro caixa com memória de cálculo do carnê-leão;
  • DARFs de carnê-leão.

Comprovante de bens e direitos

  • documentos que comprovem a compra e venda, como: contratos, escrituras, documentos de transferência.

Dívidas e ônus

  • informações e documentos de dívida e ônus contraídos e/ou pagos no período.

Investimento em renda variável

  • controle de compra e venda de ações, inclusive com a apuração mensal de imposto;
  • DARFs de renda variável.

Informações gerais

  • dados da conta bancária para restituição ou débitos das cotas de imposto apurado;
  • nome, CPF, grau de parentesco dos dependentes e data de nascimento;
  • endereço atualizado;
  • cópia da última Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (completa) entregue;
  • atividade profissional exercida atualmente.

Pagamentos e doações efetuados

  • recibos de pagamentos ou informe de rendimento de plano ou seguro saúde (com CNPJ da empresa emissora e a indicação do paciente);
  • despesas médicas e odontológicas em geral (com CNPJ da empresa emissora ou CPF do profissional, com indicação do paciente);
  • comprovantes de despesas com educação (com CNPJ da empresa emissora com a indicação do aluno);
  • comprovante de pagamento de Previdência Social e previdência privada (com CNPJ da empresa emissora);
  • recibos de doações efetuadas;
  • GPS (ano todo) e cópia da carteira profissional de empregado doméstico;
  • comprovantes oficiais de pagamento a candidato político ou partido politico.

Lila Cunha
Autora é jornalista e atua na profissão desde 2013. Apaixonada pela área de comunicação e do universo audiovisual. Suas redes sociais são: @liilacunhaa, e-mail: [email protected]