Concurso Nacional Unificado tem mudanças anunciadas sobre nomeação de aprovados

Edital do Concurso Nacional Unificado deve ser publicado em alguns dias e trará novidades sobre a seleção. Governo deve contratar os aprovados mais rapidamente. Salários chegam a R$ 22,9 mil.

Concurso Nacional Unificado tem mudanças anunciadas sobre nomeação de aprovados
Concurso Nacional Unificado tem mudanças anunciadas sobre nomeação de aprovados (Imagem: FDR)

A expectativa quanto ao Concurso Nacional Unificado já é grande entre os brasileiros. Essa é a primeira vez que um processo seletivo nesse formato acontece no país. Ao todo, os candidatos vão concorrer a vagas em 21 órgãos públicos federais.

Mudanças no Concurso Nacional Unificado

  • O período máximo de espera para a nomeação deve ser reduzido para três meses.
  • Essa regra deve valer para os demais concursos federais e já será aplicada no Enem dos Concursos.
  • Até então os candidatos esperam por até um ano e meio pela nomeação, segundo o Ministério de Gestão de Inovação (MGI).
  • Além disso, o Governo também deve editar um decreto que reduz as etapas burocráticas de contratação de servidores públicos federais.
  • Esta última mudança deve alterar um decreto criado durante a presidência de Bolsonaro. Pelo texto os concursos federais só poderiam ser aprovados caso, pelo menos, 14 informações fossem inseridas no pedido.
  • Entre elas está o quantitativo de empregados cedidos nos últimos 5 anos.

Concurso Nacional Unificado

  • Ao todo os candidatos vão concorrer a 640 vagas de emprego em órgãos federais.
  • As provas serão aplicadas ao mesmo tempo em 180 cidades brasileiras, incluindo o interior.
  • No último mês de novembro o MGI definiu a banca responsável, a Fundação Cesgranrio.
  • A previsão é de que o edital seja publicado até o dia 20 de dezembro.
  • Com isso, as provas devem acontecer até março de 2024.
  • O Concurso Nacional Unificado tem vagas de nível médio e superior, com salários entre R$ 3.700,00 e R$ 23.000,00

De acordo com o Ministério de Gestão de Inovação (MGI), essa seleção vai promover a igualdade de acesso aos cargos públicos federais.

Jamille Novaes
Baiana, formada em Letras Vernáculas pela UESB, pós-graduada em Gestão da Educação pela Uninassau. Apaixonada por produção textual, já trabalhou como corretora de redação, professora de língua portuguesa e literatura. Atualmente se dedica ao FDR e a sua segunda graduação.