Motoristas da UBER receberão R$ 10 mil em INDENIZAÇÃO determinada pela Justiça

Nesta quinta-feira, 14/09, a empresa de transporte privado, Uber, foi condenada pela justiça. Parte da sua pena será efetuar o pagamento de R$ 10 mil para alguns motoristas da plataforma. Portanto, se esta for a sua profissão, confira abaixo como ter acesso ao valor em questão.

Simulador de aposentadoria! Descubra quantos anos faltam para o seu benefício
Motoristas da UBER receberão R$ 10 mil em INDENIZAÇÃO determinada pela Justiça (Imagem: FDR)

A Uber foi condenada e terá que efetuar o pagamento de um valor acumulado em R$ 1 bilhão. Esta pena foi determinada após a justiça do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª região constatar que a empresa deve, além do pagamento da multa, contratar formalmente todos os cidadãos vinculados ao aplicativo.

Esta decisão será benéfica aos trabalhadores que fazem a locomoção de pessoas e itens pelo aplicativo. Desta forma, os entregadores e motoristas terão acesso aos benefícios cedidos pelo regime CLT. Entre eles, o seguro-desemprego, Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), aposentadoria e férias remuneradas.

Como parte da sentença aplicada em justiça, a Uber terá que pagar uma multa diária de R$ 10 mil para todo e qualquer funcionário da empresa que não for contratado de maneira formal. A partir do dia em que a justiça foi decidida, a empresa bilionária possui até seis meses para efetivar todos os cidadãos.

De acordo com a decisão, 10% do valor sentenciado deve ser transferido para as associações de motoristas por aplicativos. Com isto, a divisão financeira entre os funcionários da empresa deve acontecer brevemente. O valor que será encaminhado para estas organizações é de aproximadamente R$ 100 milhões.

Quais são os próximos passos da Uber no Brasil?

Diferente do que algumas notícias falsas estavam afirmando, a Uber não vai deixar de atuar no Brasil. Porém, a contratação formal dos seus funcionários não será feita de maneira instantânea. Portanto, os motoristas da empresa ainda seguirão exercendo a sua profissão de maneira informal por alguns meses.

Esta mudança será feita para que a empresa se enquadre nos requisitos impostos pela justiça do trabalho. O processo que resultou em todas estas alterações foi realizado pela Associação dos Motoristas Autônomos de Aplicativos (AMAA) enquanto a Uber havia solicitado segredo de justiça para o tribunal federal.

Flávio Costa
Estudante de jornalismo, já atuou na área de assessoria política ao compor o time de comunicação da atual governadora do estado, durante sua campanha eleitoral. Anteriormente, cursou 2 anos no curso de relações internacionais, podendo ampliar sua visão no aspecto macro e micro do cenário nacional e internacional. Fluente em inglês, já atuou como professor de idiomas e também de matemática. Por fim, trabalhou ainda como analista de operações pelo grupo Amazon. Atualmente, dedica-se a universidade e ao portal FDR. Suas redes sociais são @flavioarcosta e flavioarcosta@gmail.com.
Sair da versão mobile