Dívidas pelo NUBANK também serão PERDOADAS? Haddad revela a verdade

Começou na última segunda-feira (17) o programa Desenrola Brasil. Visando intermediar o acordo de negociação de dívidas dos devedores com os bancos, o governo federal deu início a este sistema. Uma das vantagens é o perdão de dívidas de até R$ 100, mas clientes do Nubank estão preocupados sobre a participação da fintech nesse sistema.

Dívidas pelo NUBANK também serão PERDOADAS? Haddad revela a verdade
Dívidas pelo NUBANK também serão PERDOADAS? Haddad revela a verdade (Imagem FDR)

Bancos digitais como o Nubank, C6 Bank ou Inter também foram convidados a participar da primeira fase do programa Desenrola Brasil. Inicialmente, a expectativa era de que o programa ficasse disponível apenas no mês de setembro e as negociações fossem feitas em um único canal, uma plataforma criada pelo governo federal que reuniria todas as dívidas do cidadão em um só lugar.

Para isso, neste mês de julho os bancos e credores deveriam apresentar suas propostas para participação no Desenrola. Caberia ao governo federal escolher quais as melhores condições de acordo com cada categoria, como de emissora de cartão, companhia de energia elétrica, lojas de departamento e etc. Somente depois desse processo é que as negociações seriam feitas.

No entanto, o governo federal decidiu antecipar os acordos pelo Desenrola Brasil para 17 de julho. Valendo apenas para quem tem dívidas no Nubank, Bradesco, Santander, Caixa, Banco do Brasil e tantos outros bancos. A segunda fase contemplando as outras dívidas, e aqueles com débitos de até R$ 5 mil começará em setembro.

Nubank vai perdoar dívidas de até R$ 100?

Uma das propostas do governo federal que deve ser obrigatoriamente aceita pelos bancos é que dívidas de até R$ 100 não podem “sujar” o nome do cliente. Isso não significa que se você está devendo no Nubank ou Bradesco dentro desse limite de valor a dívida vai sumir, na verdade ela continua existindo, mas não tem potencial para restringir o nome do cidadão.

Acontece que, segundo o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, as principais instituições do país aceitaram participar do Desenrola Brasil, mas a fintech Nubank que soma 80 milhões de clientes não confirmou a participação no programa. O motivo, segundo o ministro, é que a empresa enxerga “pouca vantagem do crédito presumido“.

Outros bancos digitais, como o PicPay e o Inter já confirmaram a participação. As informações de Haddad são de que caso o Nubank aceite o Desenrola Brasil, com o perdão das dívidas de R$ 100, o número total de pessoas que terão o nome limpo pode chegar a 2,5 milhões de pessoas.

Lila Cunha
Autora é jornalista e atua na profissão desde 2013. Apaixonada pela área de comunicação e do universo audiovisual. Suas redes sociais são: @liilacunhaa, e-mail: lilacunha.fdr@gmail.com
Sair da versão mobile