Netflix perde quase meio milhão de assinantes e busca se reinventar para salvar finanças

A Netflix é a principal empresa de streaming de filmes e séries do mundo e impressiona pela quantidade de clientes. No entanto, a plataforma vem enfrentando uma fase de debandada de clientes e perdeu 450 mil assinantes na América Latina neste primeiro trimestre. Diante disso, a empresa está tendo que copiar uma tática de sua principal concorrente: a TV aberta.

Cadê o lucro? Netflix perde quase meio milhão de assinantes e usa esta estratégia para se reinventar (Imagem FDR)
Cadê o lucro? Netflix perde quase meio milhão de assinantes e usa esta estratégia para se reinventar (Imagem FDR)

Se anteriormente a estratégia da Netflix era aumentar o lucro crescendo a base de assinantes, agora, ao que tudo indica, o caminho seguido é o de lucrar através do corte de gastos.

Netflix prioriza o lucro 

O objetivo atual da Netflix é ganhar mais de clientes que podem pagar mais e conquistar novos assinantes em locais onde ainda é possível crescer. A gigante do entretenimento reforçou as produções locais em países como a Índia e Nigéria, onde os custos de produção costumam ser mais baixos.

Estratégia usada pela TV é copiada pela Netflix 

As plataformas de streaming são as principais concorrentes da TV tradicional, oferecendo uma quantidade quase infinita de conteúdo. No entanto, elas estão se vendo obrigadas a copiar a TV e colocar propagandas na exibição de conteúdos. 

A Netflix admitiu o crescimento da concorrência, mas alfinetou as outras empresas afirmando que  “nossos pares tradicionais de entretenimento parecem estar focados na diversificação da receita (em cinema, TV linear e licenciamento para terceiros) enquanto gerenciam a difícil transição de negócios legados para streaming – enquanto estamos “all in” em streaming e já gerando lucro significativo e fluxo de caixa livre”, disse a empresa segundo o Valor Econômico.

Plano com anúncios

A plataforma lançou recentemente um plano de assinatura mais barato com anúncios, decisão inimaginável há alguns anos. Segundo a Netflix, este plano está com desempenho acima do esperado e que ele não causou uma fuga de assinantes pagantes para os planos com propaganda.

“Dado o atual desempenho saudável e a trajetória de nossa receita de publicidade por usuário, principalmente nos EUA, estamos atualizando nossa experiência de anúncios com mais streams e melhorias de qualidade de vídeo para atrair uma gama mais ampla de consumidores”, disse a empresa em comunicado aos investidores”, afirmou a empresa, segundo o Valor.

A necessidade de recorrer a propagandas se mostra inevitável para as plataformas de streaming. Assim como a TV tradicional, os custos são altos e os ganhos apenas com assinantes não se mostram o suficiente.

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.