C6 Bank tem novidade que promete ser um verdadeiro ‘divisor de águas’

O C6 Bank está sempre inovando para oferecer o melhor para os clientes. Desta vez, a fintech criou uma novidade que irá ajudar o meio ambiente. Confira os detalhes desta novidade preparada pelo banco.

O banco lançou o “Extrato de Carbono”, uma ferramenta que faz o cálculo da pegada de carbono de cada usuário, seja ele pessoa física ou jurídica, com base nos gastos efetuados no cartão de créscimo e débito, transferências e PIX.

Extrato de Carbono

Esta novidade do C6 está disponível gratuitamente no aplicativo do banco e pode ser conferida da mesma forma que o extrato comum da conta corrente.

O funcionamento da ferramenta é automático, ou seja, o cliente não precisa lançar de maneira manual os dados na calculadora para ter acesso as informações.

“Isso faz com que a estimativa de emissão considere até pequenos gastos, como um cafezinho na padaria, que geralmente ficam de fora quando se tem de informar cada atividade em outras calculadoras”, disse ao E-Investidor Alexandra Pain, head de Impacto do C6 Bank.

Também é possível através desta novidade que o cliente compense sua pegada adquirindo créditos de carbono através do app. Os recursos que o banco arrecadar com a venda destes créditos serão destinados a um projeto de conservação ambiental na Amazônia, reconhecido pela Verra, uma das mais importantes certificadoras internacionais de carbono. 

“Nosso objetivo é dar visibilidade à pegada de carbono e fazer com que as pessoas enxerguem o impacto do consumo individual no aquecimento global e na vida do planeta”, disse Pain ao E-Investidor.

Estes créditos de carbono fazem com que seja possível que as companhias compensem as emissões de gases do efeito estufa ao ajudar projetos que mitigam a prática. De forma geral, cada unidade de crédito de carbono é relativo a uma tonelada de gás carbônico equivalente (CO2e) que deixou de ser emitida.

No começo deste ano, o C6 Bank aderiu ao Movimento Ambição Net Zero, iniciativa do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU) no Brasil, que tem a intenção de reduzir 2 gigatoneladas de CO2 em emissões acumuladas até o ano de 2030.

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.