Este investimento já subiu 10% em 2023 e chama a atenção de muita gente

Pontos-chave
  • Ouro surpreende e passa por valorização impressionate
  • Saiba se vale a pena investir no metal precioso

Quem conhece o universo dos investimentos sabe que ele reserva grandes surpresas aos investidores. Desta vez, quem está surpreendendo é um metal muito conhecido e desejado. Entenda.

Ouro surpreende

Em Nova York, o ouro atingiu o seu maior nível em 13 meses, o que representa uma valorização de 10% apenas no primeiro trimestre deste ano. E ao que tudo indica, o ouro pode crescer ainda mais.

Segundo uma análise gráfica revelada pela agência Dow Jones na última quarta, 5, o ouro após ter ultrapassado a barreira dos US$ 2 mil por onça-troy (o que equivale a 31,10349 gramas), o novo passo a ser superado para manter o rali da referência global é o dos US$ 2.070, ou seja  uma valorização potencial de 3,5%. Após isso, a resistência seria a dos US$ 2.075, deixada de lado em 2020,  do ponto atual, ganho de 3,75%.

A estrada percorrida pelo ouro até o momento possui os obstáculos da economia dos EUA. Diante do crescimento dos juros que acontece desde o ano passado, o receio de uma recessão segue assustando. Em 2023, esta tese foi fortalecida por conta da quebra dos bancos.

Esta crise foi algo fundamental para o ouro provar a fama de ser um porto-seguro para os investidores em fases conturbadas.

Em condições complicadas que podem reduzir o poder de compra do dólar, os investidores que antes realizavam reserva de valor no dólar acabam voltando os olhares para o ouro, aumentando a demanda. E como a oferta de ouro é restrita, os preços aumentam.

Investimentos em ouro 

Devido a raridade e particularidades, o ouro garante ao investidor proteção e segurança já que sempre que o universo financeiro opera em risco mais elevado, a demanda nesta modalidade aumenta.

Como investir em ouro

O investidor pode optar por comprar o ouro físico, em barras de ouro, e neste caso as compras ficam limitadas a R$10 mil em dinheiro, como em papéis que estão lastreados no ouro, ou também nas operações de mercado futuro. Importante ressaltar que só haverá incidência tributária se as vendas ultrapassarem os R$ 20 mil.

Rendimento e Risco

Como acontece em todos os ativos, investir no ouro e conseguir um bom retorno vai depender do jogo de oferta e demanda. Em uma situação como a atual, em meio a uma pandemia, existe aversão a risco, o que aumenta a demanda por ouro, consequentemente aumentado seu preço.

Falando sobre os riscos, o primeiro deles é sobre o armazenamento deste ativo, caso o investidor opte pela compra física.

Existe também o risco de mudanças no preço no mercado. Investir em ouro é classificado como renda variável, já que não tem garantia de retorno.

Vale a pena?

Neste momento, o investimento em ouro pode não ser a melhor opção já que o valor está em alta. Se deseja experimentar o mercado é aconselhável procurar um intermediário financeiro que seja de sua confiança para acompanhar as cotações.

Ao constatar a queda no preço, é possível comprar e diversificar sua carteira de investimentos.

O que pode influenciar na Cotação do Ouro?

A cotação do ouro pode sentir o reflexo de diversos fatores de ordem macroeconômica e de ciclo de mercado. Isto pode criar boas oportunidades de adquirir o ativo por preços mais amenos e vender no futuro obtendo uma boa rentabilidade.

Os investidores precisam estar cientes que o ciclo de mercado se reflete e muito no preço do ouro, já que muitos o consideram como uma proteção contra a inflação.

Por conta disso, em fases de alta inflação, diversos investidores optam pelo ouro para assegurar o seu valor de compra.

Já quando o mercado está no período de bull market e as empresas estão passando por grande valorização, geralmente o ouro fica para trás nas cotações.

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.