Durabilidade do vale-refeição cai para 11 dias e trabalhadores se preocupam

Com o aumento no preço dos alimentos, cada vez mais brasileiros têm preferido fazer as refeições fora de casa. Seja o famoso PF [prato feito], ou apenas um lanche, fato é que o uso do vale-refeição se intensificou. 

Durabilidade do vale-refeição cai para 11 dias e trabalhadores se preocupam
Durabilidade do vale-refeição cai para 11 dias e trabalhadores se preocupam. (Imagem: FDR)

A contrapartida é que, a durabilidade do vale-refeição caiu para apenas 11 dias. A média atual representa uma queda de dois dias a menos em relação ao levantamento feito em 2022. O resultado reflete a alta dos juros e da inflação. 

Isso porque, antes de oferecer o vale-refeição ao trabalhador, as empresas fazem o cálculo do pagamento com base em 22 dias úteis por mês. No entanto, a pesquisa realizada pela Sodexo Benefícios e Incentivos mostra que os trabalhadores precisam tirar do próprio bolso para custear metade das refeições feitas no mês

Antes da pandemia da Covid-19, a durabilidade média do vale-refeição era de 18 dias. Segundo o levantamento, empresas de todos os portes aumentaram os valores dos benefícios em 2023 em comparação à oferta dos últimos 12 meses, ainda assim não é o suficiente, pois o valor não acompanha o custo médio das refeições fora de casa. 

Entenda a média por trás do vale-refeição 

A pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Benefícios ao Trabalhador (ABBT) levou em consideração o valor médio de R$ 40,64 gastos em cada refeição. Um novo levantamento está previsto para ser divulgado no mês de junho deste ano. 

Confira a seguir, as médias nacionais por modalidade de refeição:

  • Comercial/Prato Feito – R$ 30,59;
  • Autosserviço/quilo – R$ 35,91;
  • Executivo – R$ 50,23;
  • À la carte – R$ 64,83.

O aumento do custo das refeições tem levado brasileiros a fazerem escolhas mais baratas e menos saudáveis, como lanches e salgados em substituição às refeições, diz a empresa. Além do almoço, cafés e/ou lanches da manhã e da tarde também fazem parte da rotina de alimentação do trabalhador, o que ajuda a pesar no bolso.

Um levantamento feito pela empresa Ticket no ano passado mostrou que o valor médio gasto em refeições fora de casa cresceu 48,3% nos últimos 11 anos. Em 2013, comer fora custava cerca de R$ 27,40. Em 2023, esse valor passou para a média de R$ 40,64.

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.