PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS passa por NOVO REAJUSTE e especialista EXPLICA os MOTIVOS

Brasileiros sentem no bolso os desdobramentos da inflação. Nas últimas semanas, muito tem se falado sobre o preço dos combustíveis. Apesar nas reduções recentes, ir aos postos de gasolina ainda é um grande desafio para alguns cidadãos. Atentos a essa questão o FDR convidou um especialista para explicar o motivo dos aumentos. Confira.

publicidade
PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS passa por NOVO REAJUSTE e especialista EXPLICA os MOTIVOS (Imagem: FDR)
PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS passa por NOVO REAJUSTE e especialista EXPLICA os MOTIVOS (Imagem: FDR)

Se você está preocupado com o aumento no preço dos combustíveis e se questiona se isso irá parar, fique atento. O Brasil encontra-se em um momento de alta na inflação o que significa dizer que produtos e serviços sofrem constantes reajustes.

Recentemente a Petrobras anunciou a redução das tarifas e os governos estaduais suspenderam a aplicação do ICMS, fazendo com que a gasolina, por exemplo, tivesse uma redução de preço. No entanto, há quem se questione quanto tempo isso irá durar.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade

O economista Marco Antônio, em entrevista exclusiva para o FDR, explica quais são os fatores que fazem os combustíveis aumentarem de preço e traz previsões sobre o futuro dessas tarifas no Brasil. Acompanhe:

Quem determina o preço da gasolina no Brasil?

A Petrobras é um monopólio, ou seja, é a única empresa no Brasil que pode explorar a industrialização dos combustíveis, as demais empresas, são distribuidoras. Já alguns anos a Petrobras usa a paridade do mercado internacional como base de preços; até porque combustíveis (petróleo, gás natural) são commodities.

Porque a gasolina subiu tanto nos últimos meses?

Por seu uma commodity (produtos elaborados em larga escala com características uniformes, que não apresentam diferença sobre quem ou onde foram produzidos. No entanto, seus preços são definidos conforme a procura e oferta desses materiais); a Guerra entre Ucrânia e Rússia, agravou o mercado, pelo risco de falta de abastecimento de petróleo em alguns países, aumentando assim a demanda (procura), e com isso os preços atingiram um novo patamar. No Brasil por ter como base o mercado internacional os preços também utilizam a soma de despesas portuárias e transporte (como se o produto fosse importado, mesmo fabricado no Brasil).

Até o fim do ano há uma previsão para novas quedas de preço?

O governo fez um esforço tributário para redução; ainda é possível reduzir alguma coisa em relação ao cálculo (despesas portuárias e frete), mas isso, impacta em administrar riscos. A Petrobras tem efetuado uma gestão moderna e competitiva, até mesmo para superar prejuízos e desfalques de corrupção em governos passados. A Guerra da Ucrânia e Rússia sinalizou um avanço em relação a exportação de produtos, o que pode até o final do ano apresentar melhoras significativas no mercado internacional, e sim, reduzir o preço do petróleo de forma global.

Como funciona a política de preço da Petrobras?

Como já dito anteriormente a Petrobras trata seus produtos com base no mercado internacional, por serem commodities; a flutuação dos preços obedece a regra de demanda e oferta; assim, quanto maior a demanda e menor a produção (oferta), os preços tendem a subir.

Quando a Petrobras anuncia redução, obrigatoriamente o posto de abastecimento também precisa baratear o valor?

Não, até mesmo porque o estoque de combustíveis que há no posto de gasolina pode ter sido comprado a um preço mais alto. Quando a Petrobras anuncia a redução, esse valor menor é para os distribuidores (as marcas ou bandeiras que você vê nos postos de gasolina), e nem sempre há o repasse da redução para o consumidor, até porque os distribuidores continuam com o custo do frete rodoviário (caminhões abastecidos em diesel). Conseguimos enxergar a redução nos últimos dias, pois foi reduzida a carga tributária, e não a oscilação de preços entre oferta e demanda (mercado internacional)

publicidade

O que é o ICMS e porque ele afeta no valor da gasolina e demais combustíveis?

O ICMS é o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, é um imposto indireto, ou seja, incide no consumo, de quem compra o produto; tornando o produto mais caro. O ICMS é de competência estadual, assim cada Estado possui uma alíquota, em São Paulo por exemplo houve a redução de 25% para 18%.

O governo tem poder para mudar a política de preços da Petrobras?

Na verdade, o governo não pode mudar a política de preços de nenhuma empresa. É por isso que para reduzir o valor/preço, o governo teve que utilizar como estratégia a redução dos impostos.

Atualmente o que compensa? Gasolina ou álcool?

Essa resposta é difícil, pois cada veículo tem um desempenho abastecido com etanol ou gasolina. É necessário fazer o cálculo de consumo KM/litros. Efetuar o cálculo de quantos quilômetros por litro de gasolina o carro conseguiu como performance, e comparar abastecendo com etanol, e então comparar em valor, ou seja, quanto você gasta em reais para rodar determinado número de quilômetros (a mesma quantidade de quilômetros) usando gasolina e/ou etanol.

publicidade

Como economizar na hora de abastecer?

Procurar abastecer em postos de combustíveis com marcas tradicionais, se possível sempre no mesmo posto, para poder avaliar a performance (gasto) do seu veiculo em relação a qualidade do combustível. Manter os pneus calibrados também interfere no gasto de combustível, além do alinhamento do veículo. O ideal é manter um padrão de abastecimento, seja em quantidade de litros ou em valor. Exemplo: abastecer sempre R$ 80,00 (oitenta reais) ou abastecer sempre 25 litros, e sempre marcar a quilometragem, a data de abastecimento, para poder efetuar o cálculo de quantos quilômetros foram percorridos com aquele valor abastecido, ou quantidade de litros. Esse comparativo pode ajudar a perceber necessidade de manutenção no veículo, ou até mesmo a necessidade de trocar de posto de gasolina e procurar outro em que o combustível possa gerar uma melhor performance para sue veículo.

Há risco de desabastecimento no Brasil?

Acredito que não, grande parte de nossa frota é “flex” ou seja, temos a opção do etanol, o que pode ser uma estratégia para o governo pensar em como estimular maior produção de cana-de açúcar para aumentar a produção do etanol no Brasil, até mesmo para ser um produto a ser exportado, diversos estudos foram feitos no passado mostrando como a álcool (hoje etanol), poderia transformar o Brasil no mercado internacional.

A maior preocupação seria o Diesel, mas parece que o governo alinhou com a Rússia a importação num preço menor que dos demais países. A dica para quem possui veículos ou caminhões é abastecer sempre que o marcador chegar na metade (meio tanque), mantendo assim sempre o tanque cheio, evitando maior desembolso de reais, maior controle de gastos de combustíveis e manutenção.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!