BPC passa a ser liberado para famílias com renda SUPERIOR a R$ 1.212; entenda

O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é famoso por conceder uma ajuda equivalente a um salário mínimo para cidadãos de baixa renda. Entretanto, pode surgir uma brecha na lei que libera o benefício para famílias com renda superior a R$ 1.212.

publicidade
BPC passa a ser liberado para famílias com renda SUPERIOR a R$ 1.212; entenda
BPC passa a ser liberado para famílias com renda SUPERIOR a R$ 1.212; entenda. (Imagem: FDR)

Hoje, para ter direito a solicitar o BPC, o cidadão precisa ter mais de 65 anos de idade ou ser um portador de deficiência, seja ela física, mental ou intelectual. A renda máxima obtida pelo futuro beneficiário também é essencial, e pelas regras do programa não deve ultrapassar 1/4 do salário mínimo

Agora, um Projeto de Lei (PL) nº 4.161/2021 em trâmite na Câmara dos Deputados poderá alterar a renda máxima do BPC. Elaborado pelo deputado Marcos Soares, o intuito é ampliar os critérios visando atender um maior número de pessoas. 

publicidade

“Uma família composta por três pessoas não poderá solicitar o BPC mesmo que só uma delas trabalhe”, ponderou o parlamentar. 

Segundo ele, a divisão do salário mínimo de R$ 1.212 por três seria o equivalente a R$ 404. Na prática, o resultado ultrapassa o teto exigido pelo programa, que em 2022 é de R$ 303 por pessoa para requerer o BPC.

Por esta razão o PL prevê a concessão do BPC para idosos e PCDs cuja renda familiar mensal per capita seja de até 3/4 do salário mínimo. Em tese, se aprovado, cada família com renda mensal de até R$ 909 por pessoa poderia receber uma ajuda correspondente ao piso nacional. 

O texto já foi aprovado pela Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa na Câmara dos Deputados em 11 de julho. Agora, precisa ser deferido por outras comissões, como a de Defesa dos Direitos de Pessoas com Deficiência; de Seguridade Social e Família; Finanças e Tributação; e Constituição e Justiça e de Cidadania

Entenda as regras do BPC

Conforme mencionado, PCDs e idosos de baixa renda com 65 anos ou mais que estejam em situação de vulnerabilidade social podem receber o BPC. Mas apenas isso não basta, é preciso que os integrantes destes mesmos grupos cumpram alguns outros requisitos essenciais, como:

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

  • Ser brasileiro (nato ou naturalizado) ou de nacionalidade portuguesa com residência comprovada no Brasil;
  • Que a renda per capita familiar seja igual ou inferior a ¼ (25%) do salário mínimo, que este ano deve ser entre R$ 303 a R$ 606;
  • Na circunstância de pessoas com deficiência, é crucial que se submetam à perícia médica do INSS;
  • Não apenas o requerente, mas todos os membros do grupo familiar devem estar inscritos no Cadastro Único (CadÚnico) para requerer o benefício. 
publicidade

Conforme mencionado, a renda mínima para aquisição ao BPC deve ser de 1/4 do salário mínimo. No entanto, após a sanção da Lei nº 14.176, no dia 22 de julho de 2021, em casos excepcionais, a renda familiar per capita pode chegar a meio salário mínimo, condicionado às seguintes situações:

  • O grau de deficiência do cidadão;
  • A dependência do beneficiário quanto à ajuda de terceiros para exercer tarefas rotineiras;
  • O comprometimento do orçamento familiar com despesas médicas, tratamentos, fraldas e outros itens e serviços que não são disponibilizados gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.