Ações do Nubank (NUBR33) caem 8% e estão no menor valor; é hora de comprar ou vender?

Nesta terça-feira (3), as ações do Nubank (NUBR33) despencaram 8,22% na Bolsa de Valores de Nova York, chegando na mínima histórica de US$ 5,47. Desde a Oferta Pública Inicial (IPO), em dezembro do ano passado, os papéis da fintech já caíram 39,2%.

Ações do Nubank (NUBR33) caem 8% e estão no menor valor; é hora de comprar ou vender?
Ações do Nubank (NUBR33) caem 8% e estão no menor valor; é hora de comprar ou vender? (Imagem: Montagem/FDR)

Conforme a Economatica/TC, o Nubank já perdeu US$ 16 bilhões em valor de mercado desde o IPO. Anteriormente, a fintech era considerada o banco mais valioso da América Latina. Atualmente, o banco digital vale US$ 25 bilhões.

A queda das ações do Nubank ocorreu após a fintech comunicar uma alteração na data de lock-up (bloqueio de negociação de ações. Com isso, os investidores que estavam impossibilitados, agora, poderão vender seus ativos um dia após a divulgação do balanço do primeiro trimestre, no dia 17.

Segundo cálculo feito pela Bloomberg, o fim do lock-up representa que quase US$ 26 bilhões poderão ser negociados em mercado.

Em comentário, o Goldman Sachs informa que dialogou com a companhia. Foi informado que a antecipação do fim do lock-up não tem relação com qualquer oferta de ações.

Há a visão de que a alteração de data busca encurtar o potencial ‘overhang’ de curto prazo, finalizando o lock-up logo depois do balanço. Isso em vez de três semanas depois.

Perspectiva sobre as ações do Nubank (NUBR33)

Em relatório divulgado no fim de abril, o Itaú BBA tinha informado que, devido à alta do real e da queda de mais de 40% das ações desde o IPO, ficou tentado a alterar a recomendação de venda para as ações.

Contudo, os analistas decidiram não mudar a “visão cautelosa” antes de o banco digital publicar os resultados do primeiro trimestre. Apesar disso, o Itaú BBA reduziu o preço-alvo para os ativos negociados na Bolsa de Valores de Nova York — de US$ 7 para US$ 6,60.

Para os analistas, entre as grandes economias, o Brasil pode ser um dos primeiros países a diminuir as taxas de juros. Com isso, as preferências de investimentos seriam voltadas para as ações de crescimento.

O Itaú BBA ainda declarou que a fintech deve seguir adicionando clientes, e também aumentando o crédito ao consumidor.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.