O que é a CPMF? Como funcionava? Imposto pode voltar?

Pontos-chave
  • A CPMF vigorou por 11 anos;
  • O tributo incidia sobre movimentações bancárias;
  • Empresários defendem uma reedição do imposto.

A Contribuição sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira (CPMF), foi um tributo cobrado entre 1996 e 2007. Apesar de ter não ser mais cobrado, o assunto voltou a ganhar destaque nos noticiários, após empresários sugerirem a recriação desse imposto.

O que é a CPMF? Como funcionava? Imposto pode voltar?
O que é a CPMF? Como funcionava? Imposto pode voltar? (Imagem: Montagem/FDR)

Ao longo do período de vigência, a CPMF sempre foi alvo de discussões e polêmicas. Esses debates aparecem quando há novas sugestões de recriação de tributos sobre movimentações financeiras.

O que é a CPMF e como funcionava o tributo

Também conhecido como tributo de cheque, a CPMF foi um tributo que vigorou por 11 anos. Essa cobrança incidia por diversos tipos de transações financeiras, como emissão de cheques, pagamento de boletos bancários e saques de dinheiro.

Apesar disso, o imposto não incidia sobre negociações de ações na bolsa de valores, seguro-desemprego, saques de aposentadoria, transferências entre contas correntes de mesma titularidades e salários.

Especificamente em 1994, houve a primeira experiência com esse tipo de tributo, com o Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF).

Já em 1996, o governo voltou a dialogar sobre o retorno de uma cobrança sobre movimentação financeira. A proposta seria de destinar a arrecadação desse imposto para a área da saúde.

Em 1997, a CPMF passou a ser cobrada. Por diversas vezes, o tributo foi prorrogado. Já em outubro de 2007, a Câmara aprovou uma proposta que ampliava a cobrança desse imposto até 2011, mas não houve concordância no Senado.

Durante os 11 anos de validade da CPMF, foram gerados cerca de R$ 223 bilhões aos cofres públicos. Somente no último ano de vigência do tributo, foram recolhidos R$ 37,2 bilhões.

Entre 1998 e 2006, o aumento da receita proporcionada pelo imposto foi de 216,1%. Nesse mesmo período, o montante de tributos administrados pela Receita Federal subiu 78,4%, em termos reais.

Mesmo que tenha sido desenvolvida para financiamento da saúde, não existia essa obrigação na lei. Para financiar outros setores, foram utilizados R$ 33,5 bilhões.

Base de cálculo da CPMF

A base de cálculo do tributo consistia na quantia da movimentação bancária. A alíquota variava de 0,20% a 0,38% no período de vigência do recolhimento. Em janeiro de 1997, por exemplo, a cobrança era de 0,20%. Já em dezembro de 2007, a alíquota era de 0,38%.

Os contribuintes da CPMF eram os titulares das contas. Apesar disso, as instituições financeiras eram as responsáveis pela apuração e recolhimento do imposto.

Essas instituições precisavam reter a CPMF a cada movimentação realizada — e fazer o recolhimento no quinto dia útil subsequente ao decênio da ocorrência dos fatos geradores.

A alíquota da CPMF chegou a ser de 0,38% sobre cada operação
A alíquota da CPMF chegou a ser de 0,38% sobre cada operação (Imagem: Montagem/FDR)

Possibilidade de retorno da CPMF

Ao longo dos anos, surgem debates sobre a possibilidade de retorno da CPMF. Em 2020, por exemplo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a se posicionar a favor da criação de um tributo nos moldes da antiga CPMF. A proposta teve resistência no Congresso e não avançou.

nesta semana, um grupo de empresários chegou a apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que sugere a recriação do tributo. O grupo defende a desoneração permanente da folha de pagamento (redução dos tributos cobrados sobre salários dos funcionários).

Para compensar a perda de arrecadação federal, seria recriada a antiga CPMF. A sugestão foi comunicada em seminário promovido pelo Instituto Unidos Brasil (IUB).

Esse evento teve a participação de empresários e representantes do Congresso, especialmente da Frente Parlamentar do Empreendedorismo (FPE). O deputado Marco Bertaiolli (PSD-MG), presidente da FPE, informou que a bancária analisará as propostas e tomará uma posição.

Conforme texto da PEC, para que a desoneração seja prolongada por data indefinida, seria necessário encontrar solução tributária que faça frente aos custos necessários.

A sugestão também prevê que a desoneração dos impostos sobre a folha de pagamento tenha validade para todos os setores da economia. Atualmente, 17 setores possuem isenção temporária de pagamento desses tributos.

Em 1º de janeiro deste ano, a desoneração desses segmentos foi prorrogada por dois anos, até 2023.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.