Querem seu dinheiro emprestado? Saiba quais atitudes tomar nessa situação delicada

Pedir dinheiro emprestado é um hábito muito comum entre os brasileiros. Quem nunca recebeu pedidos de amigos e familiares? Quantas histórias ouvimos e vivenciamos de dinheiro que foi emprestado e nunca mais foi devolvido? No artigo de hoje eu vou te ensinar a identificar a como lidar com esse tipo de situação.

Ao longo dos últimos anos trabalhando como mentora e educadora financeira, eu vi muitas pessoas se meterem em grandes enrascadas por terem emprestado dinheiro. Algumas delas chegaram a ter imóveis penhorados, e outras demoraram muitos anos para conseguirem sair das dívidas por conta de compromissos que assumiram em nome de terceiros. 

É muito comum ouvir que você nunca deve emprestar dinheiro a ninguém, independente da situação. Mas muitas pessoas sentem-se extremamente culpadas ao dizer não a quem lhes pede emprestado.  

Quem é desorganizado com as finanças costuma também ser generoso. Por não conhecer os seus limites e não ter clareza das suas metas e prioridades financeiras, acaba emprestando sem ter consciência que aquele dinheiro fará falta. 

Organize seu orçamento

A primeira coisa que você deve fazer, antes mesmo que alguém lhe peça dinheiro emprestado é organizar o seu orçamento.

Se você é uma pessoa que gosta de ser generosa e fazer doações, você precisa organizar o seu orçamento para que possa usar o seu dinheiro desta forma sem prejudicar as suas outras metas financeiras. 

Uma forma prática para fazer esta organização seria da seguinte forma:

  • 10% – RESERVA DE EMERGÊNCIA
  • 20% – INVESTIMENTOS E SONHOS
  • 50 % – GASTOS ESSENCIAIS (GASTOS FIXOS + GASTOS VARIÁVEIS + DÍVIDAS)
  • 10 % – GASTOS COM LAZER
  • 5 % – GASTOS COM EDUCAÇÃO
  • 5% – DOAÇÕES

A doação financeira deve fazer parte do seu planejamento mensal, tal qual o pagamento das suas despesas fixas e seus gastos com lazer. 

O ato de doar deve fazer parte da sua rotina, algo habitual, que flui naturalmente de você e não apenas uma vez por ano, ou em campanhas específicas de obras de caridade. Você precisa fluir. 

Um rio que não continua fluindo ou fica impedido de gerar vida, como o Mar Morto, ou provoca estragos ao seu redor, como as águas indevidamente represadas.

Seja como uma hidrelétrica, cujas águas fluem com tanta força e intenção que um número incontável de vidas são beneficiadas por sua energia e sua recompensa será uma vida de abundância e prosperidade, cheia de alegria e sentimento de dever cumprido.

Quando você pode emprestar

Verdade seja dita: se alguém está pedindo dinheiro emprestado é porque a probabilidade desta pessoa estar enrolada financeiramente é grande, consequentemente, o risco dela não conseguir te pagar existe.

Ele pode ser um risco alto ou um risco baixo. Mas, imprevistos acontecem, então mesmo quando o risco é baixo, a verdade é que o calote pode acontecer.

Sendo assim, você só deve emprestar dinheiro a alguém quando tiver condições de dar o valor sem prejudicar suas metas financeiras e principalmente, sem ficar endividado caso não receba seu dinheiro de volta.

A pessoa para quem você está emprestando o dinheiro não precisa saber que a sua disposição mental é emprestar sem expectativa de receber. Aja como se fosse de fato um empréstimo.

Alinhe todas as condições: data de pagamento, se será parcelado ou em um única vez, se haverá algum juros ou correção monetária, etc.

Além disso, tente entender qual é o plano que a pessoa tem em mente para conseguir levantar o montante para conseguir te pagar. Se você se sentir seguro, busque ajudá-la a organizar o orçamento ou então, recomende que ele busque ajuda para conseguir organizar as suas finanças.

O mais importante é você assegurar a sua segurança financeira, não prejudicar sua família, não comprometer seu patrimônio ou se enrolar com dívidas, e, o mais importante de tudo, não perder uma amizade ou enfraquecer um vínculo de relacionamento com um familiar por conta de dinheiro. 

Doar é a melhor decisão quando você se importa de verdade com o outro. 

Como dizer ‘não’ sem culpa?

Se você não tem condições de doar ou não pode correr o risco de não receber, seja sincero. Diga, simplesmente, que não tem condições de emprestar no momento.

Você pode explicar que está se organizando financeiramente, que está tentando colocar suas contas em dia e não tem condições financeiras de comprometer seu orçamento no momento.

Mas coloque-se à disposição para ajudar de outras formas. Você pode ajudar a pessoa com ideias para fazer alguma renda extra ou reduzir algum gasto. Você também pode ajudar com a negociação de alguma dívida. Ou sugerir conteúdos específicos para que a pessoa consiga resolver seus reais problemas financeiros. 

Lembre-se: a maioria dos problemas financeiros não são resolvidos com dinheiro emprestado. Muito pelo contrário, quando viver pegando dinheiro emprestado pode terminar de afundar a pessoa em questões muito mais complicadas. 

Pessoas são mais importantes do que coisas

Dinheiro é só dinheiro, apenas um bem material. Pessoas são muito mais importantes do que coisas. Mas muitas vezes ficamos confusos e invertemos a ordem de prioridades.

Por isso, não permita que o seu coração seja inundado de amargura ou sentimentos nocivos contra amigos e familiares. 

É impossível acessar a abundância quando se tem ressentimentos contra outros. A abundância é operada no ambiente de liberdade. Você precisa estar livre e preparado para emprestar sem receber de volta. 

Se existir a menor possibilidade de precisar do dinheiro que estão lhe pedindo emprestado, você não poderá emprestar, por que a inadimplência pode acontecer e se você não conseguir lidar com o prejuízo. A amargura dominará o seu coração, bloqueando diversas outras áreas da sua vida.

Ame pessoas e use as coisas!

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Karem Ochsendorf
Formada em Engenharia Elétrica com ênfase em Telecomunicações, e graduanda em Filosofia. Atualmente, pesquisa e trabalha como Educadora Financeira com mais de 10 anos de experiência no mercado. No FDR, possui sua própria coluna com dicas e orientações sobre como lidar com as finanças de maneira positiva.