Bolsonaro nega auxílio emergencial “igual ao do ano passado”

Cobrado por reajustes no auxílio emergencial, Bolsonaro nega aumento das mensalidades. Nessa terça-feira (24), o presidente da república se pronunciou sobre a possibilidade de ampliar o valor do projeto. De acordo com ele, não há mais recursos para manter o abono como em 2020.

Bolsonaro nega auxílio emergencial "igual ao do ano passado" (Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Bolsonaro nega auxílio emergencial “igual ao do ano passado” (Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Há meses o governo federal vem liberando as parcelas do auxílio emergencial. Desenvolvido para minimizar os impactos do novo coronavírus, o projeto teve sua primeira rodada aprovada em abril de 2020 e desde então vem passando por uma série de reajustes fazendo com que sua mensalidade seja cortada em mais de 50%.

Valor se mostra insuficiente

Neste ano, o projeto voltou a ser ofertado também do mês de abril e nesse momento encontra-se na quinta parcela. Porém, sua mensalidade caiu de R$ 1.200 para R$ 375, no valor máximo.

Ao aprovar a extensão do auxílio emergencial, Bolsonaro criou três novas faixas de pagamento. Atualmente os segurados recebem:

  1. R$ 150 para famílias com apenas uma pessoa
  2. R$ 250 para famílias com mais de uma pessoa
  3. R$ 375 para famílias lideradas por mães solteiras

Bolsonaro nega reajuste para aumentar o benefício

Diante dos cortes, a população passou a pressionar o governo para manter ao menos o valor mínimo aprovado em 2020, na época de R$ 600. Porém, Bolsonaro afirmou não haver a possibilidade de manter essa quantia.

Quando a parcela era de R$ 600 por mês, nós nos endividamos na ordem de R$ 50 bilhões. É impossível continuar com essa política. Não basta a Casa da Moeda imprimir papel, precisamos que o campo produza e a cidade também”, disse o presidente em entrevista ao Canal Rural.

De acordo com ele, o pagamento do projeto foi responsável por ampliar o aumento da inflação. O gestor defende que nesse momento não é benéfico implementar um novo reajuste no programa.

Para Bolsonaro, a solução para a atual miséria e extrema pobreza que afeta o país é o retorno presencial das atividades. “Sem trabalho e sem renda morrerão de fome. O trabalho ajuda a prevenir as consequências mais nefastas da pandemia. Ter o corpo são é a melhor maneira de se imunizar contra tudo que está aí”, afirmou.

Você gostou deste conteúdo? AVALIE:

Avaliação média: 0
Total de Votos: 0

Bolsonaro nega auxílio emergencial “igual ao do ano passado”

×
Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA